Energia Italiana Eni renova prejuízos

Italiana Eni renova prejuízos

A instabilidade no preço da matéria-prima continua a prejudicar as contas da petrolífera italiana Eni. Em termos homólogos, a empresa reduzir prejuízos, mas não o suficiente para sair de terreno negativo.
Italiana Eni renova prejuízos
Bloomberg
Negócios 28 de Outubro de 2016 às 09:59
A petrolífera italiana Eni apresentou esta sexta-feira, 28 de Outubro, prejuízos acima do esperado no terceiro trimestre de 2016. Contudo, a empresa manteve-se em linha com a sua meta.

Numa posição citada pela Reuters, a Eni confirmou que teve um resultado negativo ajustado de 484 milhões de euros, contra as perdas de 70 milhões de euros previstas pelos analistas ouvidos pela agência noticiosa.

No período homólogo, o prejuízo tinha sido de 127 milhões de euros, o que representa um aligeirar deste indicador.

A justificar o último resultado está a quebra no preço do petróleo – que ainda não reflecte as acções adoptadas pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para atenuar a descida – bem como a redução da produção doméstica da Eni.

A empresa controlada pelo estado italiano confirmou que vai cortar os seus investimentos em 20% este ano, esperando ainda que a produção para este ano esteja em linha com o alcançado em 2015.

Nos próximos dois anos, lembra a Reuters, a Eni procura angariar cinco mil milhões de euros através da venda de activos. A compra de uma área de uma participação no negócio moçambicano da Eni por parte da americana Exxon Mobil tem vindo a ser referido.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub