Turismo & Lazer IVA na restauração dá 2 milhões à Ibersol que quase duplica lucros

IVA na restauração dá 2 milhões à Ibersol que quase duplica lucros

A empresa de restauração fechou os primeiros nove meses do ano com resultado líquido de 18 milhões de euros, que comparam com 9,26 milhões de euros um ano antes. Ajustado de efeitos não recorrentes o lucro aumentou 60%.
IVA na restauração dá 2 milhões à Ibersol que quase duplica lucros
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 21 de Novembro de 2016 às 19:18
A Ibersol encerrou o período entre Janeiro e Setembro deste ano com um crescimento das receitas e um aumento dos custos operacionais. No entanto, o ritmo de crescimento dos proveitos permitiu à empresa de restauração terminar os primeiros nove meses com lucros de 18 milhões de euros, um aumento de quase 100% face aos 9,25 milhões registados um ano antes.

Os números, contidos no comunicado enviado esta segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), contemplam compensações financeiras por perdas de tráfego pela implementação de portagens e devolução de direitos de concessão e juros associados. Excluindo estas componentes, o lucro cresceu 60,7% para 14,9 milhões de euros.

O efeito de redução do IVA da restauração, implementado a partir de 1 de Julho - passando a taxa dos 23% para os actuais 13% -, deu a ganhar cerca de dois milhões de euros em lucro à empresa. "A alteração do IVA da restauração no terceiro trimestre poderá ter contribuído com cerca de 2 milhões de euros ao nível do Resultado Líquido," estima em comunicado.

Do lado dos custos, a empresa realça o aumento de 10,5% nos encargos com pessoal, bem como o crescimento dos custos operacionais para suportar encerramentos na subsidiária angolana. Aqui, os custos com fechos ascenderam a 700 mil euros, a que acresce meio milhão de euros de impacto com a desvalorização do kwanza.

O financiamento contraído em Angola contribuiu ainda para agravar o custo médio dos financiamentos (de 5,9%), apesar da "redução das taxas de referência dos empréstimos verificada na Europa." Os empréstimos contraídos naquele país africano representam praticamente um terço do total do grupo, "com taxas de juro muito superiores à média do grupo," especifica a empresa.

A Ibersol investiu 13,5 milhões de euros nos nove meses, com a grande maioria dessa verba - 10 milhões de euros - a serem aplicados na expansão da rede de restaurantes. O restante foi conduzido para a remodelação de algumas unidades.

No último trimestre a companhia espera inaugurar oito unidades. A empresa realça ainda que no final de Outubro (já no quarto trimestre) concluiu a compra da totalidade da Eat-Out por 77 milhões de euros, embora o negócio ascenda na totalidade a 105 milhões. A aquisição foi financiada com "dívida bancária de longo prazo" e a dívida da sociedade vai ser "refinanciada para aumentar a maturidade".

As acções da Ibersol encerraram a sessão desta segunda-feira a valorizar 1,34% para 11,35 euros, na sexta sessão consecutiva sem perdas. Na sessão de hoje transaccionaram-se 96 títulos.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Viriato de Viseu Há 1 semana

Pensava eu, na minha santa ignorância, que a ideia da geringonça era uma melhor distribuição de rendimentos e benefícios aos trabalhadores e clientes. Afinal o lucro geringonço vai todo para o bolso dos patrões. O que nos diz sobre isto o kamarada?

TinyTino Há 1 semana

Cá está a prova de que a redução do IVA foi má e serviu apenas para beneficiar os empresários da restauração. Preços iguais, criação de emprego nula!

Mr.Tuga Há 1 semana

E são estes geringonços uns esquerdalhas de MERD*A! A encher os bolsos da restauração! Um sector que quase nada paga! VERGONHA de sitio ATRASADO!

Anónimo Há 1 semana

Queriam o quê? É o que dá mudanças todos anos na fiscalidade. Ajustes são necessários. Mas passa de 6% para 23% e depois outros para 13% claro q quem fica a ganhar são as empresas. Não se pode ter oscilações enormes destas. O IVA na restauração n devia ter diminuido ou a ser no maximo uns 2 ou 3 %

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub