Tecnologias Japão pondera regular moedas virtuais

Japão pondera regular moedas virtuais

A Agência de Serviços Financeiros do Japão está a estudar a possibilidade de regular as moedas virtuais. De acordo com o Financial Times, esta agência está já a debater o tema com a empresa que criou o Pokémon Go.
Japão pondera regular moedas virtuais
Sam Mircovich/Reuters
Ana Laranjeiro 19 de Outubro de 2016 às 09:26

A Agência de Serviços Financeiros do Japão está a estudar uma medida que pode ter efeitos em toda a indústria dos videojogos. De acordo com o Financial Times (FT), a agência nipónica está a ponderar tomar uma decisão histórica sobre a titularização das PokeCoin – moedas virtuais usadas no jogo Pokémon Go. Ainda não há indicações sobre se esta decisão vai entrar em vigor mas, de acordo com o jornal, esta agência está já a debater o tema com a Niantic, empresa que criou o Pokémon Go.


Caso esta medida avance, o resultado, de acordo com advogados que analisaram a questão e citados pelo FT, é que as empresas japonesas e estrangeiras cujos jogos estejam disponíveis no Japão, sejam obrigadas a garantir que o dinheiro virtual que é vendido aos jogadores tem a cobertura de depósitos reais e substanciais em ienes.

Até ao momento, a Agência de Serviços Financeiros nipónica é o único regulador do mundo a ponderar tal medida, que incide sobre uma indústria que vale milhões de dólares. De acordo com o jornal, as vendas de moedas virtuais em ienes são especialmente elevadas dado que o Japão é considerado como o mercado de jogos móveis mais valioso.


Segundo dados do SuperData Research, citados pela mesma fonte, as receitas anuais de jogos móveis no Japão quase triplicou desde 2012 para um valor estimado de 8,6 mil milhões de dólares (cerca de 7,8 mil milhões de euros no câmbio actual) em 2016, graças, segundo analistas, precisamente às vendas de moedas virtuais.

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub