Comércio Jerónimo Martins inaugura primeiro 'cash & carry' na Colômbia

Jerónimo Martins inaugura primeiro 'cash & carry' na Colômbia

Quatro anos depois de entrar na Colômbia, a Jerónimo Martins lança uma nova aposta naquele mercado ao inaugurar esta segunda-feira o primeiro 'cash & carry' (unidade grossista), que ficará localizado na fronteira com a Venezuela.
Jerónimo Martins inaugura primeiro 'cash & carry' na Colômbia
Lusa 13 de março de 2017 às 09:47
"Vamos começar uma nova aventura no dia em que fazemos quatro anos [da entrada no mercado]. Vamos abrir o primeiro 'cash & carry' na Colômbia", avançou à Lusa o presidente da Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos.

Em declarações à Lusa, o presidente da dona do Pingo Doce adiantou que "tal como tinha dito já há muito tempo, a ideia é experimentar tudo, procurar soluções que realmente possam ir ao encontro das necessidades" dos colombianos.

O primeiro 'cash & carry' fica junto à fronteira com a Venezuela, em Cúcuta, que "é uma cidade muito interessante, foi onde foi assinada a primeira Constituição pelo Simon Bolívar", acrescentou Pedro Soares dos Santos.

O novo conceito chama-se Bodega del Canasto e vai gerar cerca de uma dezena de empregos. A Jerónimo Martins não divulga o investimento desta nova unidade de forma isolada.

"É o primeiro 'cash', é uma experiência. Tenho muita fé nesta nova aventura", concluiu o gestor.

A Jerónimo Martins inaugurou o primeiro supermercado Ara na Colômbia em 2013.

No final do ano passado, o grupo contava com 221 lojas e três centros de distribuição no mercado colombiano e contava com 3.100 colaboradores, totalizando o investimento acumulado, entre 2012 e 2016, 180 milhões de euros.

Em 2016, a Ara registou vendas de 236 milhões de euros, que mais do que duplicaram, em moeda local, face ao ano anterior.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub