Turismo & Lazer Jogos Santa Casa financiam policiamento no futebol

Jogos Santa Casa financiam policiamento no futebol

O Governo acertou a forma como serão distribuídos em 2017 os lucros obtidos com os jogos sociais, que este ano devem bater novo recorde de receitas.
Jogos Santa Casa financiam policiamento no futebol
A Raspadinha já é o jogo mais popular entre os portugueses, tendo ultrapassado as receitas do Euromilhões em 2015.
António Larguesa 07 de Novembro de 2016 às 10:04

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, já assinou a portaria, que entra em vigor a 1 de Janeiro de 2017, que define a forma como serão distribuídos, na área que tutela, os resultados líquidos dos jogos sociais explorados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

 

De acordo com o diploma publicado esta segunda-feira, 7 de Novembro, em Diário da República, 2,77 % do valor será afectado no próximo ano à Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), para "prossecução de finalidades de protecção civil, emergência e socorro, nomeadamente para apoio a associações de bombeiros voluntários".

 

A segunda maior fatia (0,69%) será entregue à Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna, que posteriormente fará a transferência das verbas para as forças de segurança com o objectivo de comparticipar os encargos com o policiamento dos espectáculos desportivos, como os jogos de futebol.

 

O financiamento de iniciativas na área da sinistralidade rodoviária e da prevenção da criminalidade, "designadamente em espaços turísticos, no interior do país e em zonas de risco"; e de acções de prevenção dos "riscos sociais, da vitimação e do sentimento de insegurança decorrentes da criminalidade". Estas áreas ficarão em 2017 com 0,3% das verbas provenientes dos jogos sociais.

 

As receitas brutas dos jogos sociais do Estado devem bater um novo recorde no final deste ano, ultrapassando assim o anterior máximo, obtido em 2015, que ascendeu a dois mil milhões de euros. É que, segundo dados oficiais da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, no primeiro semestre geraram receitas superiores a 1.359 milhões de euros, pelo que bastará que se mantenha esta performance na segunda metade do ano.

 

Em média, cada português gasta 217 euros por ano neste tipo de jogos. Desde o ano passado que a Raspadinha é o jogo mais popular, tendo crescido 55% face a 2014 e gerado uma venda bruta de 1.101,5 milhões de euros. Já o Euromilhões registou em 2015 uma venda bruta de 820,5 milhões de euros, menos 10,5% face ao período homólogo, segundo o relatório e contas da SCML, divulgado a 24 de Maio.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Então mas os lucros destes Jogos, ditos sociais, não deveriam ser somente canalizados para o efeito? Os Clubes de futebol, são empresas privadas, têm receitas próprias, pagam chorudos vencimentos...existe tanto para fazer a favor dos mais desfavorecidos...não entendo.

pub
pub
pub
pub