Desporto Jorge Mendes reafirma no tribunal que "nunca" assessorou em matéria fiscal

Jorge Mendes reafirma no tribunal que "nunca" assessorou em matéria fiscal

Em explicações rpestadas esta terça-feira ao juiz de instrução de Pozuelo de Alarcón, Espanha, o agente Jorge Mendes garantiu que "nunca" assessorou os futebolistas por si representados em questões fiscais.
Jorge Mendes reafirma no tribunal que "nunca" assessorou em matéria fiscal
Lusa 27 de junho de 2017 às 18:19
O agente português Jorge Mendes disse hoje ao juiz de instrução de Pozuelo de Alarcón, Espanha, que "nunca" assessorou em matéria fiscal os futebolistas que representa.

As declarações do agente português foram prestadas no âmbito da alegada fraude fiscal do avançado colombiano Radamel Falcao.

"Mendes declarou que nunca assessorou em matéria fiscal os jogadores, os quais, em todos os casos, designam os seus próprios assessores, sem ligação alguma a ele", refere em comunicado a Gestifute, empresa de Jorge Mendes.

Segundo o comunicado, Mendes prestou declarações durante 45 minutos, vincando que se dedica "exclusivamente" a "representar futebolistas nas suas negociações com os clubes para a determinação das condições salariais dos seus contratos".

A Gestifute acrescentou que o agente português é accionista, mas não administrador, da empresa Polaris, uma sociedade registada na Irlanda que tem sido apontada como parte do esquema de fuga ao fisco de vários jogadores investigados. Segundo a Gestifute, a Polaris dedica-se "exclusivamente a procurar anunciantes para os clientes, não a gerir os seus direitos de imagem".

Além de Falcao, a Gestifute representa vários outros jogadores e treinadores de primeiro plano, como os portugueses Cristiano Ronaldo, Fábio Coentrão, Ricardo Carvalho e José Mourinho e o argentino Ángel di María.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub