Banca & Finanças José Guilherme diz estar a "cumprir ao milímetro" com o Novo Banco

José Guilherme diz estar a "cumprir ao milímetro" com o Novo Banco

O construtor amigo de Ricardo Salgado garante que tem em dia as dívidas com o Novo Banco. José Guilherme revela que assumiu os créditos a que deu avales. Lone Star coloca estes empréstimos entre os activos problemáticos da instituição.
José Guilherme diz estar a "cumprir ao milímetro" com o Novo Banco
Duarte Roriz
Maria João Gago Raul Vaz 07 de fevereiro de 2017 às 23:59
"Estou a cumprir ao milímetro o que acordei com o Novo Banco". É desta forma que o construtor José Guilherme reage à notícia de que o crédito de cerca de 200 milhões de euros que tem no Novo Banco está entre os activos que a Lone Star considerou problemáticos, ao ponto de a sua proposta de compra da instituição reclamar uma garantia de Estado para estas carteiras, como o Negócios avançou esta terça-feira.

"Assumi dívidas de outros [devedores]. Estou a pagar as minhas dívidas e as dos meus sócios", adiantou o construtor que "ofereceu" 14 milhões a Ricardo Salgado, em declarações ao Negócios. Em causa está o facto de José Guilherme ter ficado assumido a responsabilidade pelo pagamento de empréstimos contraídos por devedores do Novo Banco que eram seus sócios em diversas empresas e a que o construtor deu o seu aval. O que significa que, se os titulares dos créditos não cumprirem as suas obrigações, cabe ao avalista assumir o pagamento dos financiamentos.

Segundo explicou o construtor, que actualmente tem a sua actividade concentrada em Angola, o acordo de reestruturação de dívidas, fechado com o Novo Banco em Janeiro do ano passado, prevê o pagamento anual de 10 milhões de euros para amortizar capital em dívida e respectivos juros. Um compromisso que José Guilherme garante estar a honrar. "Tenho os juros e as amortizações em dia".

Como o Negócios escreve esta terça-feira, o Novo Banco tem a expectativa de recuperar este financiamento, daí que não tenham sido registadas imparidades para a totalidade do valor em dívida. Ainda assim, o candidato à compra do Novo Banco duvida da capacidade de recuperação deste crédito.

A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Juca 16.02.2017

É que a questão não está ao nível do milímetro. Está ao nível do kilómetro.

Eu dava-te o milimetro 08.02.2017

Cadeia com estes corruptos

Lola 08.02.2017

A barriga de aluguer do BES pariu cada " Lesado"

com que então 14 milhões de "prenda" ! Isto só para anormais ...

Ciifrão 08.02.2017

Não é ao milímetro que devia cumprir era ao cêntimo.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub