Banca & Finanças JPMorgan perde 143 milhões na Steinhoff mas lucros superam previsões

JPMorgan perde 143 milhões na Steinhoff mas lucros superam previsões

A reforma fiscal teve um efeito negativo de 2,4 mil milhões de dólares nas contas do JPMorgan.
JPMorgan perde 143 milhões na Steinhoff mas lucros superam previsões
reuters, bloomberg
Negócios com Reuters 12 de janeiro de 2018 às 13:18

O JPMorgan deu o pontapé de saída da época de apresentação de resultados do quarto trimestre da banca norte-americana com notícias positivas, já que os lucros superaram as previsões apesar da perda relacionada com um empréstimo à Steinhoff e o efeito negativo da reforma fiscal nos Estados Unidos.

O maior banco dos Estados Unidos por activos registou um custo extraordinário de 2,4 mil milhões de dólares que está relacionado com o repatriamento de lucros obtido no exterior no âmbito da reforma fiscal que foi aprovada no país. Apesar deste efeito negativo que os bancos estão a sentir, a reforma fiscal terá um forte impacto positivo nas contas do sector a longo prazo.

Excluindo este efeito e outros itens extraordinários, o JPMorgan obteve lucros de 6,7 mil milhões de dólares, ou 1,76 dólares por acção, o que se situa acima dos 1,69 dólares por acção estimados pelos analistas contactados pela Reuters.  

As receitas aumentaram 4,6% para 25,45 mil milhões de dólares, também acima das estimativas. O banco liderado por Jamie Dimon beneficiou com o comportamento positivo da margem financeira, que permitiu compensar a queda sentida na unidade de "trading", que tem estado sobre pressão no sector financeiro devido à baixa volatilidade.

As receitas no "trading" de acções ficaram estáveis, apesar da perda de 143 milhões de dólares relacionada com um empréstimo que está relacionado com a Steinhoff, a retalhista sul-africana que está em dificuldades financeiras e afundou em bolsa.

 

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.