Banca & Finanças JPMorgan vai abrir unidade na Polónia e criar “milhares de empregos”

JPMorgan vai abrir unidade na Polónia e criar “milhares de empregos”

O banco de investimento fechou um acordo com o Governo para a abertura de uma sede operacional em Varsóvia, comunicou o vice-primeiro-ministro do país.
JPMorgan vai abrir unidade na Polónia e criar “milhares de empregos”
Bloomberg
Negócios 22 de setembro de 2017 às 12:33

O Governo polaco fechou um acordo com o norte-americano JPMorgan para a abertura de uma sede operacional do banco de investimento na capital do país, Varsóvia, segundo avançou esta sexta-feira, 22 de Setembro, o vice-primeiro-ministro da Polónia Mateusz Morawiecki.

De acordo com o vice-primeiro-ministro, a instituição quer contratar "vários milhares" de trabalhadores.

"Tivemos negociações difíceis durante vários meses, mas posso confirmar que o acordo está fechado", afirmou Morawiecki, em declarações à rádio pública Trojka, citadas pela Bloomberg.

"O maior banco do mundo terá uma sede aqui e vai contratar vários milhares de pessoas das áreas da gestão, gestão de risco e logística, o que é bom, porque são empregos bem remunerados", acrescentou o governante.

O JPMorgan junta-se, assim, a uma lista de bancos internacionais que estão a deslocar algumas funções de backoffice para a Polónia, aproveitando os custos mais baixos daquele país.

O UBS criou um hub global em Cracóvia, enquanto o Goldman Sachs – que planeia reduzir para metade o número de trabalhadores que tem em Londres – vai aumentar para "centenas de pessoas" a sua força de trabalho em Varsóvia, de acordo com o alemão Handelsblatt.

O vice-primeiro-ministro polaco acredita que o Brexit poderá traduzir-se em cerca de 30 mil novos postos de trabalhado no sector dos serviços na Polónia.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub