Energia Juros "mais baixos de sempre" na dívida tarifária poupam 20 milhões ao sistema eléctrico

Juros "mais baixos de sempre" na dívida tarifária poupam 20 milhões ao sistema eléctrico

O secretário de Estado da Energia adiantou que a redução dos juros - que será fixada em portaria - "é a primeira fase" do esforço para "encontrar formas menos onerosas para estes sobrecustos associados ao sistema eléctrico nacional".
Juros "mais baixos de sempre" na dívida tarifária poupam 20 milhões ao sistema eléctrico
Lusa 08 de Outubro de 2016 às 17:25

Os juros da dívida tarifária gerada em 2017 serão de 1,88%, os mais baixos de sempre, o que permitirá uma poupança de 20 milhões para o sistema eléctrico nacional, afirmou à Lusa o secretário de Estado da Energia.

 

Em declarações à Lusa, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches (na foto), disse que os juros para os diferimentos para a Produção em Regime Especial (PRE) - renováveis e cogeração - terão o valor de 1,88%, abaixo dos 2,24% pagos em 2016 e muito longe dos 6,32% em 2012.

 

"Para ao ano era muito importante conseguir baixar [os juros], porque estimamos que o serviço de dívida em 2017 oscile entre os 1,7 e os 1,8 mil milhões de euros", explicou, referindo que o Governo quer "chegar ainda mais longe nesta questão".

 

O secretário de Estado da Energia adiantou que a redução dos juros - que será fixada em portaria - "é a primeira fase" do esforço para "encontrar formas menos onerosas para estes sobrecustos associados ao sistema eléctrico nacional".

 

Segundo o governante, esta medida representa uma poupança de cerca de 20 milhões de euros, o que poderá ter impacto na definição de tarifas para o próximo ano, que são propostas pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) a 15 de Outubro.

 

Mas o Governo quer ir mais longe na redução dos custos da dívida tarifária, o que passará por formas alternativas de colocação da dívida, como o governante anunciou em Julho no parlamento. Para esta missão, está a trabalhar em articulação com o Banco de Portugal. 

 

Actualmente, é a EDP Serviço Universal, comercializadora de último recurso do mercado português, que compra a PRE, com sobrecusto por ser subsidiada, e financia o sistema após sucessivos diferimentos destes sobrecustos nas tarifas da electricidade.

 

"Estamos a chegar mais longe nesta questão e tenho esperança de continuar baixar ainda mais", declarou Jorge Seguro Sanches, realçando a abertura da EDP neste processo.

 

A dívida tarifária atingia em 2015 os 4,8 mil milhões de euros, segundo dados da ERSE, e, sem medidas adicionais, o serviço da dívida tarifária será de 1,8 mil milhões de euros em 2017, o pico dos encargos a suportar pelos consumidores. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

As duas palavras mais gastas do vocabulario portugues devem ser:JUROS e DIVIDA.Impressionante.

Anónimo Há 4 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

pub