Desporto Justiça desportiva iliba Pinto da Costa no caso Apito Final

Justiça desportiva iliba Pinto da Costa no caso Apito Final

O Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol absolveu o Porto, Pinto da Costa e o árbitro Augusto Duarte num processo de alegada corrupção desportiva. O Porto já aplaudiu a decisão.
Justiça desportiva iliba Pinto da Costa no caso Apito Final
Correio da Manhã
Negócios 15 de julho de 2017 às 12:56
No caso Apito Final, o Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) absolveu o FC Porto, o seu presidente Jorge Nuno Pinto da Costa e o árbitro Augusto Duarte do alegado caso de corrupção no jogo Beira-Mar-FC Porto, de 18 de Abril de 2004.

O Conselho de Justiça restituiu ainda os seis pontos ao Porto na classificação de 2007/08, do qual foi vencedor.

Futebol Clube do Porto congratulou-se por ter sido "reposta a verdade desportiva da edição 2007/08 da I Liga" de futebol, com a absolvição do clube e do seu presidente das infracções referentes ao processo Apito Final.

De acordo com um comunicado do clube, a decisão surge na sequência do trânsito em julgado, em 15 de Dezembro de 2016, do acórdão do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa que considerou "inexistente" o acórdão do CJ de 4 de Julho de 2008, o que levou a que a matéria disciplinar aí em causa mantinha-se por julgar, e por isso voltou a ser apreciada pelo CJ da FPF. E, segundo o FC Porto, "após novo exame das provas, o Conselho de Justiça decidiu absolver o presidente do FC Porto da acusação de 'corrupção da equipa de arbitragem', tendo em consideração que 'a sociedade desportiva é considerada objectivamente responsável pelos factos praticados directamente por qualquer dos seus agentes'. Também a SAD "foi absolvida das sanções impostas pela Comissão Disciplinar da Liga".

Anteriormente tinham sido aplicadas várias sanções: pena de dois anos de suspensão a Pinto da Costa, multa de 10 mil euros ao presidente do clube, multa de 150 mil euros e retirada de seis pontos ao Futebol Clube do Porto, além da suspensão de seis anos ao árbitro Augusto Duarte, Agora, tudo isto foi anulado. 







A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.07.2017

O extraordinário nesta "justiça" do futebol, é que é feita por Juízes a sério. Mete medo.

Camponio da beira 15.07.2017

Numa empresa normalmente a taxa de sucesso nas seus negocios tem que rondar os 90 %,EX. Numa transportadora as entregas não podem falhar, senão não se safa, recorrem ma outros.Ora a nossa justiça deve rondar uma eficacia inferior a 10 %, logo está falida há muito.

Saber mais e Alertas
pub