Mercados Justiça norte-americana acusa oito operadores de manipulação do mercado de futuros

Justiça norte-americana acusa oito operadores de manipulação do mercado de futuros

As autoridades norte-americanas acusaram esta segunda-feira oito operadores bolsistas de manipulação ou contribuição para comportamento incorrecto no mercado de futuros para aumentar os lucros dos bancos e das empresas em que trabalhavam.
Justiça norte-americana acusa oito operadores de manipulação do mercado de futuros
Lusa 30 de janeiro de 2018 às 00:53

As acusações resultaram de uma investigação do Departamento de Justiça, da polícia federal (FBI, na sigla em inglês) e da Comissão de Negociação em Futuros (CFTC, na sigla em inglês) a manipulação no mercado de futuros.

 

Em comunicado, o Departamento de Justiça anunciou que os oito acusados enfrentam as acusações em três tribunais do país, localizados nos Estados do Ilinóis, Connecticut e Texas.

 

Setes dos oito envolvidos foram acusados de ter usado a técnica do 'spoofing', a qual consiste em vender ofertas para vender contratos de futuros, mas com a intenção de cancelar a ordem antes de ser executada, o que cria uma ilusão de procura elevada, o que acaba por influenciar os preços e beneficiar as posições das suas empresas no mercado.

 

Esta técnica é um crime nos EUA desde a aprovação em 2010 da reforma financeira do então Presidente Barack Obama, conhecida como Lei Dodd-Frank, com a qual se procurava aumentar a supervisão do sistema financeiro para evitar a tomada de riscos que causou a aguda crise financeira de 2008.

 

O Departamento de Justiça adiantou que os acusados alegadamente manipularam os mercados de futuros da Bolsa Mercantil de Chicago, o maior mercado de derivados do mundo, o Chicago Board of Trade e o Commodity Exchange, Inc.

 

O Departamento de Justiça não revelou para que bancos os acusados trabalhavam.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado À atenção dos Supervisores Portugueses 30.01.2018

Que sirva o Exemplo:
É assim que (também) se cria confiança nos Investidores: ao mínimo indício de procedimentos não legais, atuação decisiva e com pública divulgação.
Acrescente-se ser lição da História constituir a Confiança dos Investidores o elemento mais relevante para o desenvolvimento de um Mercado de Capitais.
E tal passa pela construção de uma imagem de dinamismo, de rapidez de intervenção, de disposição a “pôr a cabeça no cepo”, rejeitando comodismos à Pôncio Pilatos - na defesa dos Investidores, principalmente dos mais humildes.
Isto outrossim a bem de um País que necessita de estimular os seus Cidadãos a pouparem muito mais do que o que estão por ora a fazer,
sendo que uma das vias para o conseguir sem repressão fiscal,
seria dinamizar em várias vertentes o Mercado de Capitais,
em ordem a que o esforço de poupança possa auferir melhor recompensa,
possibilidade ao alcance de quem investe (com prudência) na Bolsa.

comentários mais recentes
Anónimo 30.01.2018

HAHAHA agora já gostam de regulação... são muito engraçados estes comentadores... o mercado que funcione... dizem os neo-liberais que faliram a banca privada um pouco por todo o mundo e cá numa escala inimaginável BPP/BPN/FINIBANCO/BANIF/BES... Amélias arrependidas...

À atenção dos Supervisores Portugueses 30.01.2018

Que sirva o Exemplo:
É assim que (também) se cria confiança nos Investidores: ao mínimo indício de procedimentos não legais, atuação decisiva e com pública divulgação.
Acrescente-se ser lição da História constituir a Confiança dos Investidores o elemento mais relevante para o desenvolvimento de um Mercado de Capitais.
E tal passa pela construção de uma imagem de dinamismo, de rapidez de intervenção, de disposição a “pôr a cabeça no cepo”, rejeitando comodismos à Pôncio Pilatos - na defesa dos Investidores, principalmente dos mais humildes.
Isto outrossim a bem de um País que necessita de estimular os seus Cidadãos a pouparem muito mais do que o que estão por ora a fazer,
sendo que uma das vias para o conseguir sem repressão fiscal,
seria dinamizar em várias vertentes o Mercado de Capitais,
em ordem a que o esforço de poupança possa auferir melhor recompensa,
possibilidade ao alcance de quem investe (com prudência) na Bolsa.

pub