Banca & Finanças Lacerda Machado: solução para "lesados" do BES só chega dentro de um "par de meses"

Lacerda Machado: solução para "lesados" do BES só chega dentro de um "par de meses"

O amigo do primeiro-ministro mediou as relações entre os reguladores e os lesados para encontrar uma solução para os clientes com papel comercial. Elogiou os intervenientes e afirma ter cumprido uma recomendação do Parlamento.
Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 19 de dezembro de 2016 às 16:09

Ainda vai demorar "um par de meses" até que os clientes do BES receberam a primeira parte do investimento feito em papel comercial do Grupo Espírito Santo. As palavras citadas são de Diogo Lacerda Machado, o amigo de António Costa que esteve a mediar as conversações entre os reguladores e os lesados, mas quantos exactamente não se sabe.

 

A solução, cujos contornos não foram explicados na apresentação desta segunda-feira 19 de Dezembro, só será concretizada em 2017. "Foi possível, dentro do propósito de buscar uma possível solução para minorar as perdas sofridas pelos lesados do papel comercial, cumprir, conceber e desenhar uma possível solução que venha a ser apresentada aos lesados para que, cada um por si, individualmente, venha ponderando aceitá-la ou não aceitar", disse Lacerda Machado na residência oficial do primeiro-ministro.

 

A imprensa tem noticiado que a recuperação do investimento será de entre 50% e 75% (consoante o montante) mas nenhum número foi revelado. O total de investimento em papel comercial é de 485 milhões de euros e a perspectiva é de que sejam ressarcidos em 286 milhões de euros, "se porventura todos os destinatários, investidores não qualificados, vierem em função da sua vontade própria a aceitarem a solução proposta".

 

Diogo Lacerda Machado frisou que esta solução, apresentada na sequência do memorando de entendimento que juntou o Governo (do qual era representante), do Banco de Portugal, da CMVM, do BES "mau" e dos lesados", respeita ainda uma outra entidade, a comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES, nomeadamente a sua recomendação que pedia uma solução para estes investidores.

 

O amigo de António Costa confirmou que a aceitação da solução obriga à abdicação de quaisquer processos judiciais e reclamações contra "entidades públicas, Novo Banco e seus futuros accionistas". Os direitos jurídicos em relação aos emitentes do papel comercial serão transmitidos para uma "entidade a criar", cuja estrutura formal nunca foi descrita na apresentação desta segunda-feira. 

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

comentários mais recentes
Anónimo 21.12.2016

Deixem o sistema finnaceiro falir e verão que Portugal ganha com isso. Deixem o mercado funcionar

Anónimo 19.12.2016

Não existe qualquer dúvida de que aquilo que os bancos e os Estados estão há muito precisados é de um grande downsizing com despedimento de excedentários. Enquanto assim não for eclodirão crises e mais crises a abaterem-se sobre os cidadãos considerados de segunda, aqueles que são sérios e não roubam, e resgates e mais resgates aos cidadãos de primeira que são do mais desonesto que existe e roubam, ainda que muitas vezes se apresentem de ar bem lavado e perfumado pois estão protegidos por uma lei iníqua e insustentável feita por eles e para eles.

António Ribeiro 19.12.2016

Dá vontade de rir. Estes foram enganados e os que subscreveram dívida subordinada, não? Que solução equilibrada. Viva o socialismo, igualdade para todos. Falta apurar porque é que este governo está tão empenhado em ressarcir os que compraram papel comercial. Que interesses é que estão a proteger?

Anónimo 19.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

pub
pub
pub
pub