Banca & Finanças Lagarde aconselha Deutsche Bank a acordo com os EUA: "Quanto mais cedo, melhor"

Lagarde aconselha Deutsche Bank a acordo com os EUA: "Quanto mais cedo, melhor"

Um entendimento com as autoridades judiciais norte-americanas é sempre melhor do que um julgamento, defende a líder do FMI. O banco alemão, diz Christine Lagarde, tem de fazer uma "introspecção". "Como muitos outros bancos".
Lagarde aconselha Deutsche Bank a acordo com os EUA: "Quanto mais cedo, melhor"
Bloomberg
Diogo Cavaleiro 06 de Outubro de 2016 às 18:40

"Quanto mais cedo, melhor": é assim que a directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) comenta a situação do Deutsche Bank e a intenção de os Estados Unidos aplicarem uma multa de 14 mil milhões de dólares pela venda irregular de instrumentos financeiros.

 

Neste momento, ainda se tenta um entendimento entre o gigante alemão e a justiça da maior economia do mundo para evitar uma ida a julgamento. O Deutsche Bank disse que não está disposto a pagar o montante noticiado e tem havido comentários a dar conta de que a multa poderá ser menor. Hoje, a Reuters avançou que Berlim está a interceder em Washington para resolver a situação. 

 

"Um mau acordo é sempre melhor do que um bom julgamento", disse Lagarde à Bloomberg TV esta quinta-feira, 6 de Outubro. Com um entendimento, a incerteza que tem sido colocada sobre o banco tem tendência para desaparecer. Uma das dúvidas que têm surgido é o impacto que uma multa multimilionária poderá ter na solidez da instituição.

 

Na mesma entrevista, Lagarde referiu que o Deutsche Bank, "como muitos outros bancos", têm de olhar para o seu modelo de negócio e repensá-lo. "Não é o único", assegurou-se.

Muitos bancos "têm de fazer uma introspecção", referiu a líder do FMI, dando o exemplo do holandês ING que, no início da semana, anunciou despedimentos para cortar custos na nova fase de aposta digital. O próprio Deutsche Bank anunciou mais 1.000 saídas este ano. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Tenho vindo a notar que a Sra.Lagarde tem sido nos ultimos tempos uma verdadeira ponte que faz a travessia entre America e o velho continente mais propriamente a EU.Mas tambem tenho notado que muito pouca gente faz uso dessa ponte.Sera que la tambem se paga portagens?

pub
pub
pub
pub