Empresas Legislação sobre 'drones' está em fase final de elaboração

Legislação sobre 'drones' está em fase final de elaboração

O Governo revelou esta sexta-feira que está em "fase final de elaboração" o decreto-lei que visa estabelecer a obrigatoriedade do registo de 'drones', impõe um seguro de responsabilidade civil e cria um regime sancionatório.
Legislação sobre 'drones' está em fase final de elaboração
Direitos Reservados
Lusa 12 de janeiro de 2018 às 07:40
"O diploma encontra-se em fase final de elaboração, após o período de consulta pública, na qual foram recebidos muitos e pertinentes contributos", refere o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, em resposta enviada à agência Lusa.

O anteprojecto do decreto-lei que visa estabelecer um regime de registo e de seguro de responsabilidade civil obrigatório aplicável aos 'drones' (aeronaves não tripuladas) esteve em consulta pública entre Agosto e Outubro, tendo recebido 70 comentários, sobretudo de particulares, segundo a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

Em Outubro, o regulador da aviação civil disse que, após o processo de análise às participações recebidas, iria enviar ao Governo um relatório com o resultado da consulta pública com as conclusões e eventuais propostas de alteração a introduzir ao anteprojecto.

O diploma vai tornar obrigatório o registo e a contratualização de seguro de responsabilidade civil para as aeronaves não tripuladas, cuja massa máxima operacional seja igual ou superior a 250 gramas e prevê ainda "um quadro sancionatório aplicável a quem violar estas obrigações, de forma a dissuadir e censurar adequada e proporcionalmente condutas de risco que podem colocar em causa a segurança de todos".

"O texto do diploma tem como referencial as propostas de regulamento europeu disponibilizadas recentemente pela Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA -- European Aviation Safety Agency) e já reflecte os contributos recolhidos pela ANA, na consulta realizada junto da comunidade aeronáutica, forças de segurança, associações de operadores de drones, entre outros", explicou em Agosto a tutela.

O anteprojecto do decreto-lei diz ainda que menores de 16 anos "não podem operar" 'drones' "cuja aeronave tenha uma massa operacional igual ou superior a 0,900 quilogramas [900 gramas], excepto se acompanhados e supervisionados por um adulto", cumprindo igualmente a obrigatoriedade do registo e do seguro de responsabilidade civil.

Em 13 de Janeiro do ano passado entrou em vigor o regulamento da ANAC que proíbe o voo destes aparelhos a mais de 120 metros de altura e nas áreas de aproximação e descolagem dos aeroportos, mas os sucessivos incidentes com 'drones' nas proximidades dos aeroportos levou o regulador e o Governo a avançarem com legislação específica.

Apesar disso, o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas faz um "balanço positivo" do regulamento da ANAC.

"Tratou-se de um primeiro passo para a regularização da actividade em Portugal. O balanço é positivo, na medida em que permitiu uma primeira abordagem ao recenseamento e registo dessa actividade, tendo igualmente sido desenvolvidas acções de informação sobre os vários aspectos da utilização destes dispositivos", salienta o Ministério na resposta escrita envida à Lusa.

Em curso está também o projecto de instalação nos aeroportos de sistemas de detecção/bloqueio destes aparelhos, tendo em 23 de Outubro sido feita a primeira demonstração prática destes sistemas, que permitem detectar, e eventualmente impedir, a incursão de 'drones' em áreas sujeitas a restrições e/ou proibições de sobrevoo.

Questionada pela Lusa, a ANAC diz que "durante este mês serão realizados mais testes e agendados outros para breve".

O impacto entre aeronaves e 'drones' pode causar mais danos do que a colisão com pássaros, segundo um estudo britânico recentemente divulgado.

O estudo elaborado pela empresa QuinetiQ, promovido por várias entidades do Reino Unido, como o Departamento de Transportes e a Autoridade Militar para a Aviação, concluiu que os 'drones' "podem causar significativamente mais estragos que um pássaro de equivalente massa [ou peso] à mesma velocidade".



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Luis 13.01.2018

Concordo consigo Nuno. Acho que isto é uma manobra do governo em parceria com as seguradoras para mamarem mais algum dinheiro do povo. Triste atitude.

Nuno 13.01.2018

Deixem-se de tretas. 99% destes relatórios de incidentes são falsos. Se eu que estou parado e nao vejo o meu drone a 200mts, como é que vocês pilotos de aviação civil conseguem ver o meu drone a mil metros ao ponto de alterarem a rota em segundos para evitarem uma colisao?

Anónimo 12.01.2018

??????? ??????
?????????? ?????????: Fast Mail Checker http://bit.ly/2D1qYDK !!!! ???? ?????? ?????? ??? ?? ?????!!!! ???????? ??????? ????!!! ???? ?????? ? ??????????!!!!
- ????????? ???????? ???????? Mail, Yandex, Rambler, QIP.
- ????????? ???????? ????????, ?????????? ????? IMAP.
- ?

Anónimo 12.01.2018

?????? ?????
?????????? ?????????: Fast Mail Checker http://bit.ly/2D1qYDK !!!! ???? ?????? ?????? ??? ?? ?????!!!! ???????? ??????? ????!!! ???? ?????? ? ??????????!!!!
- ????????? ???????? ???????? Mail, Yandex, Rambler, QIP.
- ????????? ???????? ????????, ?????????? ????? IMAP.
- ???

pub