Empresas Lego alcança receitas recorde

Lego alcança receitas recorde

A Lego obteve a maior receita de sempre em 85 anos. A empresa registou, aproximadamente, 5 mil milhões de euros no ano de 2016.
Lego alcança receitas recorde
Negócios 13 de março de 2017 às 19:38

A Lego alcançou um crescimento de 6% comparativamente a 2015, conseguindo apresentar uma receita de 37,9 mil milhões de coroas (5 mil milhões de euros).

"Estamos satisfeitos com o nosso desempenho em 2016," referiu o CEO Balli Padda em conferência de imprensa. "Tivemos uma primeira metade do ano muito forte, ao passo que o crescimento das vendas no segundo trimestre foi mais sustentável, comparativamente a anos anteriores. Ficámos encorajados pelo nosso desempenho em mercados maduros como a Europa e continuámos a ver grande potencial na China, que representa uma oportunidade de crescimento atractiva", avança.

Apesar da maior parte das vendas se cingir à Europa e aos EUA, o CEO da Lego afirma que "nos Estados Unidos, as vendas aos consumidores estagnaram, apesar de um aumento significativo em gastos de marketing na segunda metade do ano". Por conseguinte, um mercado que ainda se apresenta em crescimento, mas que no ano passado conseguiu surpreender, foi o mercado chinês, o qual se revelou uma boa aposta, segundo as palavras de John Goodwin, CFO da Lego.

Durante 2016, mais de 335 novos itens foram lançados, que geraram 9,4 mil milhões de coroas (1,3 mil milhões de euros) em receitas líquidas. De todos os produtos vendidos, o top 5 de vendas da Lego em 2016 é: o Lego City, Lego Duplo, Lego Star Wars, Lego Friends e Lego Ninjago.

"A inovação é fundamental para o nosso sucesso e, anualmente, cerca de 60% do nosso portfólio são novos produtos. Estamos constantemente a desafiar-nos, a envolver e a inspirar as crianças com as experiências de jogo mais relevantes, emocionantes e divertidas. Por isso, a Lego descobriu novas maneiras de se ligar com as crianças através de uma variedade de plataformas digitais", refere Balli Padda.


Ainda este ano, a empresa pretende introduzir novas plataformas para inspirar a combinação do jogo digital com o jogo físico. A Lego Life, uma plataforma digital criada para que as crianças possam compartilhar as suas experiências de construção, foi lançada em diversos mercados no mês passado e já conta com 840 mil utilizadores. Por sua vez, a Lego Boost, um robô que combina codificação, programação e construção tradicional, foi já considerado o brinquedo do ano.

 

Em parceria com a UNICEF, a Lego desenvolveu uma política de Segurança Digital Infantil para criar experiências seguras de jogo online para as crianças. Trabalhou ainda em parceria com a UNICEF na iniciativa "Partners in Play", para proporcionar oportunidades de aprendizagem às crianças sírias refugiadas na Jordânia. Por fim, através de programas de voluntariado, os colaboradores do Grupo envolveram mais de 100.000 crianças em todo o mundo em experiências de jogo organizadas por instituições de caridade, que operam em comunidades próximas das instalações da empresa.

"A nossa ambição de longo prazo é proporcionar a oportunidade, a milhões de crianças em todo o mundo, de beneficiarem de experiências de jogo Lego, especialmente em mercados emergentes. Em 2016, investimos significativamente no talento e nas infra-estruturas para permitir este crescimento sustentável a longo prazo", avança o CEO da Lego.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub