Empresas Leixões afunda sem monobóia

Leixões afunda sem monobóia

A inoperacionalidade da monobóia oceânica, que impede os navios de grande dimensão de descarregar petróleo em Leixões, é a principal responsável pela queda de 4% do movimento de mercadorias neste porto nos primeiros 11 meses do ano.
Leixões afunda sem monobóia
À entrada para o último mês do ano, o porto de Leixões regista uma quebra de 4% no movimento de mercadorias.
Rui Neves 27 de dezembro de 2016 às 18:35

Com a monobóia oceânica em reparação, desde Março que os navios de grande dimensão transportadores de petróleo bruto estão impedidos de descarregar esta matéria-prima fóssil directamente no porto de Leixões. Uma situação que tem prejudicado a performance da infra-estrutura portuária nortenha em benefício de Sines.

Resultado: à entrada para o último mês do ano, é praticamente certo que a administração portuária de Leixões não vai conseguir o objectivo de superar o recorde histórico conseguido no ano anterior, que fechou com 18,76 milhões de toneladas processadas.

Só em Novembro, o movimento de mercadorias do porto liderado por Brogueira Dias caiu 16,6% em relação ao mesmo mês do ano passado, de 1,75 milhões para 1,46 milhões de toneladas.

Em termos acumulados, entre Janeiro e Novembro Leixões processou 16,65 milhões de toneladas, menos 4% do que em igual período do ano passado.

A quebra homóloga de 13% registado no processamento de granéis líquidos foi a grande responsável por esta dinâmica negativa, com os granéis sólidos a recuarem 7%. Todos os restantes segmentos fecharam Novembro em alta – a carga geral ganhou 8%, para 7,77 milhões de toneladas; a carga fraccionada subiu 6%, para 1,09 milhões de toneladas; a carga "ro-ro" 18%, para quase 772 mil toneladas; e a carga contentorizada progrediu 7%, para 5,91 milhões de toneladas.

Relativamente a este último tipo de carga, registe-se que o terminal de contentores de Leixões, apesar de ir ultrapassar largamente o resultado anual do ano passado, dificilmente conseguirá bater o recorde absoluto de 659 mil TEU (cada TEU equivale ao tamanho padrão de um contentor de 20 pés de comprimento) alcançado em 2014.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ricardo Melim Há 3 semanas

Meu Caro Rui... Convido-o ainda hoje a vir a Leça aproveitar o final da tarde, ver os navios a levantar ferro e o petroleiro a manobrar na monoboia feliz e contente como tantos outros antes dele este ano. Felizmente para o bem do país, o Porto de Leixões e a refinaria não param.

Anónimo Há 3 semanas

ò pedro alfacinha, como se diz cá no norte, vai levar na bolha ò parolo!

Pedro Há 3 semanas

E continuam os nortenhos com a sua lenga-lenga! Desde quando é que Sines é "grande Lisboa e arredores"?? Que culpa têm os Alentejanos que o Porto de Leixões não tenha reparado o equipamento? O "Norte onde se trabalha"? E no Sul não se trabalha também ó morcão?

pub
pub
pub
pub