Banca & Finanças Lesados do Banif acorrentam-se em protesto frente ao edifício do Santander em Lisboa  

Lesados do Banif acorrentam-se em protesto frente ao edifício do Santander em Lisboa  

Um grupo de lesados do Banif iniciou cerca das 07:20 um protesto na Avenida Calouste Gulbenkian, em Lisboa, frente ao edifício do Santander Totta, pendurando um manequim enforcado de tamanho real no viaduto sobre a avenida.
Lesados do Banif acorrentam-se em protesto frente ao edifício do Santander em Lisboa  
D.R.
Lusa 20 de março de 2017 às 09:11

Segundo constatou a Lusa no local, alguns elementos do grupo, num protesto surpresa, acorrentaram-se aos postes existentes na avenida com correntes e algemas.

 

Os lesados do Banif consideram que o Santander, com a resolução do Banif e a venda de parte da actividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, é também co-responsável pela sua situação.

 

Os manifestantes estavam pelas 07:30 a colocar cartazes que podem ser vistos pelos automobilistas que acedem à Praça de Espanha e onde se podem ler frases como "Retirem o vosso dinheiro, o Santander Totta é espanhol", "A resolução do Banif é igual à segunda invasão espanhola" e "Resolução do Banif foi um circo, nós não somos palhaços".

 

Junto com o manequim enforcado, os manifestantes penduraram um outro cartaz onde se lê "Lesados Banif", com as palavras Santander Totta e Banif riscadas.

 

Em declarações á Lusa no local, Jacinto Silva, da associação dos lesados do Banif - Alboa, afirmou: "Estamos aqui para fazer ver o Santander Totta que tem de se sentar à mesa e negociar de uma vez por todas com os lesados".

 

"Estamos acorrentados e não vamos parar os protestos até resolvermos os nossos problemas", acrescentou, referindo-se às 15 pessoas que se prenderam com correntes e algemas aos postes da avenida, frente ao edifício do banco.

 

Pelas 08:05 chegaram ao local cinco elementos da PSP.

 

Em 20 de Dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif -- Banco Internacional do Funchal, com a venda de parte da actividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros activos - incluindo 'tóxicos' - para a nova sociedade veículo.

 

Os antigos clientes do Banif, numa carta que enviaram ao escritório de advogados que representa o Santander, consideram que "viram as suas situações financeiras transitadas para o Banco Santander Totta, de uma forma unilateral, com alteração das cláusulas contratuais das suas contas".

 

Nesta missiva de resposta a um protesto do banco, que tinha exigido na semana passada a retirada, em três dias, de qualquer referência ao nome e marca Santander dos suportes informativos da associação, designadamente do sitio da Internet, a Alboa anuncia que suspendeu e reformulou os seus suportes de comunicação e considera o tom da carta do banco "desapropriado e ameaçador".

 

Na carta, a que a Lusa teve acesso, a Alboa explica: "O Banco Santander Totta manifestou interesse no Banif, pelo menos desde julho de 2015 e aceitou o negócio em Dezembro seguinte, prescindindo da Due Diligence. Correram o risco para ganhar dinheiro. Um desses riscos seria sempre a animosidade e a insatisfação dos 'Antigos Clientes do Banif'".

 

Os Antigos Clientes do Banif, agora clientes do Santander Totta, "não foram tidos nem achados para a eventual autorização de transferência das citadas contas" e, por consequência, não lhes foram garantidos direitos, refere a associação.

 

"Daí não ser de estranhar se considerarem também lesados do Santander Totta", acrescenta.

 

A associação sublinha que "hoje o Santander Totta exclui a responsabilidade futura sobre os produtos emitidos pelo Banif", mas recorda que o banco "continua a exigir a liquidação dos empréstimos contraídos para a aquisição dos mesmos e cobrar comissões que anteriormente não eram aplicadas".

 

"O Santander Totta tem que definir claramente se os clientes ("ex-Banif") têm mais valor e importância do que serem só uma referência numérica, abstrata e rever o seu posicionamento com a Alboa, os clientes, as regiões Autónomas dos Açores e da Madeira e comunidades lusófonas que estão agora a sentir o peso da sua arrogância", sublinham os responsáveis da associação.

 

O grupo espanhol Santander adquiriu, em 20 de Dezembro de 2015, um conjunto de ativos e passivos do Banif, após a medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal ao Banif.

 

Em Dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif e a venda da actividade bancária ao Santander Totta por 150 milhões de euros.

 

Foi ainda criada a sociedade-veículo Oitante para a qual foi transferida a actividade bancária com que o Totta não ficou.

 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Gatunos 20.03.2017

Porque é que ESSES ATRASADOS MENTAIS dos "lesados" do Banif investiram a massa num banco falido e NACIONALIZADO em mais de 60% PELOS GATUNOS DO PSD E CDS ?
Porque é que essa gente anda sempre a votar nos GATUNOS E CRIMINOSOS do PS PSD CDS BE e PCP?
Esses imbecis têm o que merecem.

Anónimo 20.03.2017

Alguns, não muitos, foram mesmo enganados.

Nada que se pareça com o escandâlo do BES, aí sim, muitos foram roubados com a cumplicidade até do Banco de Portugal ...

Mas o Carlos Costa e os seus "muchachos" não se demitem.

Claro, não têm um pingo de vergonha na cara!

Anónimo 20.03.2017

O Santander ficou com os aneis e milhares de depósitos bancários de residentes e não residentes de muitos milhões de euros. São justos os protestos, para que as entidades não se esqueçam que foram os governos acionista do Banif a pedir dinheiro aos clientes e acionistas a comprarem ações.

pub
pub
pub
pub