Empresas Lesados do BES: "Quem nos está a burlar, no fundo, é o Governo"

Lesados do BES: "Quem nos está a burlar, no fundo, é o Governo"

Cerca de 50 lesados do papel comercial e lesados emigrantes do Novo Banco concentraram-se este sábado à porta da Federação do PS/Porto para acusar o Governo de ser quem "os está a burlar".
Lesados do BES: "Quem nos está a burlar, no fundo, é o Governo"
Hugo Correia/Reuters
Lusa 13 de janeiro de 2018 às 13:37

Meia centena de lesados do papel comercial e lesados emigrantes do Novo Banco concentraram-se este sábado, 13 de Dezembro, à porta da Federação do PS/Porto para acusar o Governo de ser quem "os está a burlar".

O porta-voz dos lesados António Silva explicou à agência Lusa que na origem da acusação está o facto de "sempre terem havido provisões no BES [Banco Espírito Santo], mas que após a intervenção do Banco de Portugal, associado ao Governo, as provisões que eram irrevogáveis passaram para o Novo Banco".

 

Citando uma promessa do actual líder parlamentar socialista, Carlos César quando disse, que "se fossem para o Governo desbloqueavam as poupanças" dos lesados, o porta-voz considerou que tal afirmação não constituiu "favor nenhum", sustentando que as "poupanças estavam garantidas por provisões" que, mais tarde, o "relatório da Deloitte disse ter o Novo Banco as utilizado noutros fins".

 

António Silva lembrou, depois, a "promessa do secretário de Estado das Finanças" de "criação de um fundo, onde seriam injectados 15 milhões de euros, para litigar contra quem fez a burla", acusando: "o Governo diz que fomos burlados, mas o Novo Banco pertence ao Governo, que foi quem ficou com as provisões. Portanto, quem nos está a burlar, no fundo, é o Governo".

 

No dia em que somaram o sétimo protesto enquanto lesados, o grupo prometeu voltar em breve ao local da manifestação de hoje enquanto "reúnem esforços para ir fazer um protesto junto do Parlamento Europeu", a quem já "enviaram petições" e de quem receberam como resposta a "promessa da sua análise", pretendendo ainda ser "recebidos em audiência", disse António Silva à Lusa.

 

Outro dos lesados, Jorge Novo mostrou documentos em que "alguns advogados infiltrados neste processo pretendem celebrar com os lesados contratos de prestação de serviços jurídicos, cobrando mais 3% de comissões além dos valores dos honorários estabelecidos".

 

Continuando a citar a proposta de mediação jurídica, Jorge Novo explicou que para esses advogados "nas soluções, entretanto, apresentadas nunca se falou em provisões, mas sim em soluções extrajudiciais que permitirão recuperar até 75% dos valores perdidos independentemente do lesado o aceitar ou não".

 

"Da provisão não lhes interessa falar, mas ela existe no Novo Banco e essa é a garantia da devolução da totalidade do nosso dinheiro. Não aceitamos soluções, o que reclamamos é a provisão do Novo Banco", concluiu.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub