Banca & Finanças "Lesados" fazem as pazes com Carlos Costa e pedem "estátua" para Carlos Tavares

"Lesados" fazem as pazes com Carlos Costa e pedem "estátua" para Carlos Tavares

Elogiou António Costa e criticou a postura política anterior. Lamentou a postura inicial contra o Banco de Portugal e agradeceu à instituição. Elogiou Carlos Tavares.
"Lesados" fazem as pazes com Carlos Costa e pedem "estátua" para Carlos Tavares
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 19 de dezembro de 2016 às 16:34

A associação que representa os clientes do antigo BES com papel comercial das sociedades falidas do Grupo Espírito Santo deixou grandes elogios ao Governo e aos reguladores na procura de uma solução. Uma das grandes palavras de agradecimento foi a António Costa.

 

"Devemos todo este processo ao Dr. António Costa, que, de forma inteligente, apercebeu-se que não era um problema nosso mas do país", afirmou Ricardo Ângelo, presidente da inicialmente conhecida como Associação de Indignados e Enganados do Papel Comercial na apresentação dos resultados do grupo de trabalho que procurou uma solução para estes investidores.

 

Antes de mencionar o nome do primeiro-ministro, que estava ao seu lado na apresentação, Ricardo Ângelo frisou que o comportamento inicial dos investidores em papel comercial do GES, "de rua", "alterou-se quando o comportamento político se alterou".

 

O papel do "melhor amigo" Diogo Lacerda Machado, que mediou o grupo de trabalho com os reguladores e os lesados, também foi referido. Consegue, disse Ricardo Ângelo, "criar consenso entre o gato e o rato".

 

Outros grandes elogios foram para os reguladores que, durante meses, estiveram de costas voltadas, com Carlos Costa, do Banco de Portugal, a dizer que não tinha quaisquer responsabilidades sobre este caso, e com Carlos Tavares, antigo líder da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a defender o contrário.

 

Sobre Carlos Costa, Ricardo Ângelo admitiu "procedimentos errados" dos lesados, que se manifestaram com palavras duras contra o governador (que decidiu a resolução do BES e confirmou que os lesados não deveriam ser ressarcidos pelo Novo Banco) e quis "agradecer ao Banco de Portugal e a todos os seus elementos".

 

Já para Carlos Tavares, que não esteve presente na apresentação (estava a sua sucessora Gabriela Figueiredo Dias, houve elogios directos: "É um homem com H grande". "Foi extraordinária a sua capacidade e hombridade de manter a sua posição sempre atrás da justiça. Ficará na memória dos lesados. Merece uma estátua", disse.


Sobre a solução propriamente dita, Ricardo Ângelo deu poucos pormenores, tal como fizeram os outros dois intervenientes na apresentação, Diogo Lacerda Machado e António Costa. Não houve direito a perguntas na apresentação.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Legru 19.12.2016

Anuncia-se uma solução "sem prejuizo para os contribuintes". Depois não se explica a forma que encontraram para fazer este "milagre". Depois não respondem a perguntas.
Tudo isto é obscuro. Da justiça, ou não, da restituição parcial aos chamados lesados, não tenho opinião por desconhecer todo o processo.
Do "milagre de se conseguir o dinheiro "sem prejuizo para os contribuintes" é que fico intrigado.
Depois da redução do horário da FP, mais este e outros milagres, já anteriormente anunciadas, sempre sem prejuízo para os contribuintes, teremos de eleger este santo antónio para padroeiro, já não só de lisboa, mas do país inteiro.
Já agora Novo Santo António, porque não aproveita a fase milagrosa e reduz a dívida pública "sem prejuizo para o contribuinte". - Força homem!!!

comentários mais recentes
Atento 22.12.2016

O maior impostor e traidor dos lesados. Depois de tantos lesados meterem processos contra o BdP governador que faz nula a provisão o impostor não tem vergonha.

Anónimo 19.12.2016

Mais uns votos comprados com o dinheiro dos contribuintes. É o Socialismo, ESTÚPIDOS!!!

Anónimo 19.12.2016

Quanto ao Tavares, gostava de saber se a postura não vem de também ter umas massas lá aplicadas. Ser sem custos para o contribuinte é o novo milagre das rosas ou conversa para papalvos. Vamos pagar e bem as aplicações gananciosas ou por burrice dos sócios do Salgado. No máximo era 100m a cada.

Rado 19.12.2016

Típico para Antonio Costa. Pensa que somos todos burros.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub