Petróleo Líbia não vai reduzir produção de petróleo como pretende a OPEP

Líbia não vai reduzir produção de petróleo como pretende a OPEP

O director da companhia petrolífera líbia, Mustafah Sanalla, considera que a situação da economia "é instável e perigosa", sendo "impensável reduzir num futuro próximo" a produção de crude para os níveis previstos pela OPEP.
Líbia não vai reduzir produção de petróleo como pretende a OPEP
Bloomberg
Lusa 27 de Novembro de 2016 às 18:08

A Líbia não vai reduzir a produção de petróleo para os níveis previsto pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), anunciou hoje a Companhia Nacional de Petróleo (NOC) do país.

 

A situação da economia Líbia "é instável e perigosa", disse num comunicado o director da NOC, Mustafah Sanalla, pelo que "é impensável reduzir num futuro próximo" a produção de crude para os níveis previstos pela OPEP.

 

A OPEP quer diminuir a sua produção de petróleo entre 32,5 milhões a 33 milhões de barris por dia e alcançar um acordo com outros países produtores do cartel para estimular uma subida dos preços, que estão baixos, o que se deve a um excesso da oferta em relação à procura, facto que se verifica desde meados de 2014.

 

Três países que pertencem à OPEP, Irão, Líbia e Nigéria, foram autorizados a "produzir em níveis máximos", refere-se no comunicado.

 

Mas a dificuldade em diminuir os preços do petróleo a nível mundial, devido ao excesso de oferta nos mercados internacionais, está a aumentar a pressão para que estes países reduzam as suas quotas de produção.

 

Na quarta-feira, na reunião da OPEP que se realizará em Viena, a organização poderá reduzir a produção de petróleo para os níveis previstos distribuindo por igual as quotas de todos os países.

 

A Líbia produz actualmente cerca de 600.000 barris por dia e quer duplicar a sua produção em 2017.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub