Tecnologias Líder da Samsung condenado a cinco anos de prisão por corrupção

Líder da Samsung condenado a cinco anos de prisão por corrupção

Jay Y. Lee, vice-presidente da Samsung e herdeiro da tecnológica, terá subornado a anterior presidente da Coreia do Sul.
Líder da Samsung condenado a cinco anos de prisão por corrupção
Jay Y. Lee está detido desde Fevereiro
Reuters
Nuno Carregueiro 25 de agosto de 2017 às 08:04

Um tribunal da Coreia do Sul sentenciou hoje Jay Y. Lee a uma pena de cinco anos de prisão, depois de ter concluído que o vice-presidente da Samsung Electronics e herdeiro da tecnológica tentou subornar a antiga presidente do país, que foi afastada do cargo devido a este escândalo.

 

Jay Y. Lee, que está detido desde Fevereiro, é acusado de vários crimes, entre eles o de corrupção. O seu advogado já anunciou que Lee, com 49 anos, vai recorrer. "Estamos convencidos que esta decisão vai ser revertida", pois o "veredicto é inaceitável", afirmou  Song Wu-cheol, citado pela Reuters. O Ministério Público pedia uma pena de 12 anos de prisão.

 

Depois de um julgamento de durou seis meses, os juízes concluíram que Lee subornou Park Geun-hye em troca de favores que a ajudaram a manter o controlo da gigante tecnológica sul-coreana. O herdeiro da Samsung é também acusado de esconder activos no exterior, fraude e perjúrio.

 

Segundo a Reuters, a pena de cinco anos é a mais longa aplicada até agora a um empresário sul-coreano, sendo que a lei do país impede a suspensão de sentenças que apliquem mais de três anos de prisão.

 
Favores políticos com suborno a amiga da presidente

Entre os subornos provados em tribunal está o patrocínio de 6,4 milhões de dólares que Lee concedeu à carreira de uma filha de Choi Soon-sil (amiga da anterior presidente Park Geun-hye) na equitação.

 

Em troca destes subornos, Lee obteve o apoio do Governo sul-coreano na controversa fusão realizada em 2015 entre duas companhias, numa operação que ajudou o herdeiro da Samsung a reforçar o controlo sobre o conglomerado, que fabrica telemóveis e "chips" mas está também presente noutras áreas de actividade, como a farmácia e a hotelaria.

O vice-presidente da Samsung Electronics e filho do presidente do grupo Samsung era acusado de ter pago 38 milhões de dólares (cerca de 32 milhões de euros) em subornos a Choi Soon-sil, amiga e confidente de Park.

Conhecida como "Rasputina", Choi Soon-sil é a figura central no escândalo de corrupção e tráfico de influências que abalou a Coreia do Sule e levou à destituição da ex-Presidente Park, primeira mulher eleita para o cargo.

O patrão da Samsung

Lee assumiu a liderança efectiva da Samsung em 2014, depois de o seu pai Lee Kun-hee (que é o chairman da empresa) ter nesse ano sofrido um ataque de coração que o deixou incapacitado.

Também Lee Kun-hee foi já no passado condenado a uma pensa suspensa de três anos de prisão, tendo sido acusado de fraude e evasão fiscal. Neste caso cuja sentença foi hoje conhecida, outros gestores da Samsung foram também condenados. O antigo director de estratégia Choi Gee-sung e o antigo presidente Chang Choong-ki foram alvo de uma pena de quatro anos de prisão.

Como assinala o Financial Times, Lee é agora "indiscutivelmente o homem mais poderoso" da Coreia do Sul, daí que este tenha já sido classificado como o "julgamento do século" neste país asiático.  

A Samsung foi fundada em 1938 pelo avô de Lee, sendo há vários anos um símbolo da ascensão da Coreia do Sul. Contudo, é agora também o espelho dos vários casos de corrupção que assolam o país e que evidenciam promiscuidade entre o poder político e empresarial.  

 

Park Geun-hye, que foi a primeira mulher a assumir o cargo de presidente do país, foi afastada devido a este escândalo de corrupção, sendo que seu julgamento só deverá estar concluído no próximo ano.  


Resta agora saber como Lee vai conseguir gerir a Samsung a partir da prisão e quais serão os danos reputacionais que este caso vai ter na marca que está presente em todo o mundo.   

No mercado de capitais a prisão de Lee não está a ter impacto. A Samsung Electronics acumula este ano uma valorização em bolsa de 30% e atingiu máximos históricos, que elevaram a capitalização bolsista da cotada para 272 mil milhões de dólares. A Samsung é um conglomerado que vai muito além do fabrico de telemóvies e "chips". O valor de mercado da empresa é de 395 mil milhões de dólares.  

(notícia actualizada às 10:01 com mais informação)




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.08.2017

Depois de ler esta noticia não consigo perceber o porque do Sócrates ter sido libertado.

PONHA OS OLHOS NESTE CASO, SRA. PGR 25.08.2017

Nunca, em tempo nenhum, a impunidade em Portugal atingiu foros tão desbragados e vergonhosos - diria mm, de cumplicidade passiva - como c/ a actual PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA
Q alguém aponte um caso - UM SÓ - em q o criminoso de colarinho branco tenha sido preso e obrigado a devolver o q roubou

Anónimo 25.08.2017

Porquê, a nossa justiça prisioneira e os corruptos e bandidos a beneficiar dela ?
Talvez um dia possa haver uma revolução para resolver este problema da nossa sociedade e acabar com estes excrementos, de outra forma não vamos lá, cada dia são mais e mais!!!

Ó ANÓNIMO DAS 11H00 25.08.2017

Ó anónimo das 11h00 sabes onde podes meter os erros gramaticais e ortograficos e o acordo ortográfico ? Sabes não sabes . . . ?

ver mais comentários