Comércio Lidl estende a sua aposta em vestuário a Portugal

Lidl estende a sua aposta em vestuário a Portugal

A rede alemã de discount decidiu reforçar a oferta de vestuário nas suas lojas. A oferta que há uma semana fez notícia nos jornais espanhóis, abaixo dos 9,99 euros, já existe em Portugal.
Lidl estende a sua aposta em vestuário a Portugal
O grupo alemão Lidl está há 21 anos em Portugal. Tem 244 supermercados no país.
Bloomberg
Isabel Aveiro 27 de Outubro de 2016 às 16:23

A cadeia de supermercados ("discount") Lidl, que no passado dia 20 de Outubro surgiu em vários jornais espanhóis por causa da linha de roupa feminina Esmara, a preços médios não superiores a 9,99 euros, já tem essa oferta nas 244 lojas que detém em Portugal.

O jornal ABC, entre outros, avançava naquela data que o "Lidl lançou no mercado espanhol uma linha de moda feminina denominada Esmara, com colecções limitadas" de "25 peças únicas", a um preço médio em que "na maioria dos casos não superará os 9,99 euros". Já o site El Economista garantia que a oferta servia para concorrer "com as marcas das grandes cadeias, como Zara, H&M ou Primark" e a Europa Press dizia que a retalhista queria "democratizar a moda nos supers com preço low cost". 

Questionada a empresa em Portugal, se a mesma oferta iria estender-se ao país, fonte oficial do grupo de retalho alemão – predominantemente alimentar – respondeu, por email: "o Lidl Portugal vende roupa em Portugal desde a sua entrada no país, há mais de 20 anos, incluindo a marca Esmara".

Adiantou ainda: "grande parte da nossa oferta Esmara anda de facto à volta dos 9,99 euros, à semelhança de Espanha. Existem peças mais caras, nomeadamente casacos e sapatos, e também mais baratas".

A mesma fonte oficial explica que, nos 244 supermercados actualmente operacionais do grupo em território nacional, "existem cinco marcas de roupa – Esmara, roupa de senhora (inclui lingerie); Crivit, roupa de desporto masculina e feminina; Crivit Pro, equipamentos desportivos de alta qualidade e rentabilidade; Pepperts, marca de roupa de criança (6 a 12 anos); Lupilu, marca de roupa para bebés (até aos seis anos); e Livergy, marca de roupa para homem".

"Tem havido um forte investimento na área do vestuário", garantiu o Lidl Portugal, "apostando-se no número de colecções e dos tamanhos das roupas respeitando as idiossincrasias de cada país" e também "no desenvolvimento de colecções mais actuais e de qualidade cada vez mais elevada, de acordo com os mais recentes desenvolvimentos feitos na área".

O grupo Lidl, presente em Portugal há 21 anos, tem em curso um processo de expansão e reestruturação do seu parque de lojas no país. O plano é, em 2016, aplicar 50 milhões de euros neste processo. O último passo foi o investimento de 4,5 milhões de euros na unidade nova do Seixal (a sexta do grupo naquela área), aberta em Setembro último, com 1.400 metros quadrados.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Álvaro 27.10.2016


O PAÍS DAS MARAVILHAS (PARA ALGUNS)

A FP volta às 35 horas, salários altos e muitas outras benesses...

enquanto os privados trabalham 40, com salários muito mais baixos, e ainda tem que pagar impostos cada vez mais altos para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

comentários mais recentes
5640533 29.10.2016

Trapos que na Alemanha ninguém quer vestir.

Anónimo 27.10.2016


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.

São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.

Por isso devem ter os maiores cortes.

Álvaro 27.10.2016


O PAÍS DAS MARAVILHAS (PARA ALGUNS)

A FP volta às 35 horas, salários altos e muitas outras benesses...

enquanto os privados trabalham 40, com salários muito mais baixos, e ainda tem que pagar impostos cada vez mais altos para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub