Media Liga Inglesa vende direitos televisivos para a China por valor recorde

Liga Inglesa vende direitos televisivos para a China por valor recorde

A Premier League prepara-se para fechar o maior contrato de sempre de venda de direitos televisivos. Trata-se de um acordo por três anos com a empresa chinesa PPTV no valor de 700 milhões de dólares.
Liga Inglesa vende direitos televisivos para a China por valor recorde
REUTERS
Negócios 18 de Novembro de 2016 às 18:42

Os direitos televisivos do campeonato de futebol inglês são dos mais disputados em todo o mundo. E a Premier League, que centraliza os direitos de transmissão dos jogos, prepara-se para fechar um novo contrato com a empresa chinesa PPTV, detida pelo Grupo Suning, no valor de 700 milhões de dólares (654,6 milhões de euros). A notícia está a ser avançada pela imprensa britânica, que cita fontes próximas do negócio.

O acordo terá a duração de três anos, arrancando na época 2019-2020. Até lá, os direitos da transmissão dos jogos continuam a ser detidos pela China TV.


A concretizar-se, será o maior contrato de direitos televisivos de sempre realizado por uma liga de futebol. Até ao momento, o recorde pertencia ao contrato assinado entre a Liga Inglesa e a norte-americana NBC no valor de mil milhões de dólares (cerca de 935 milhões de euros) por seis anos.

O valor que a empresa do grupo Suning irá pagar é vinte vezes superior ao actual contrato que a Premier League tem com a Super Sports Media Group com a duração de seis anos para a transmissão dos jogos no mercado chinês, segundo o Financial Times.

Este não é o primeiro negócio que a dona da PPTV, a retalhista Suning, faz no campo futebolístico. No início do ano o grupo chinês já tinha investido 370 milhões de dólares por 70% do clube italiano Inter de Milão.

 

 Em Portugal é a Sport TV que tem os direitos da Premier League.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub