Banca & Finanças Limpeza do Novo Banco dita perdas e vai continuar
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Limpeza do Novo Banco dita perdas e vai continuar

O Novo Banco reconheceu perdas de 1.374 milhões com malparado e a desvalorização de outros activos. Peso da má herança do BES travou recuperação dos resultados, mas era necessário. E ainda há muito balanço para limpar.
A carregar o vídeo ...
Maria João Gago 13 de abril de 2017 às 00:01

A limpeza do balanço do Novo Banco exigiu o registo de 1.374 milhões de euros de imparidades no ano passado, um esforço que aumentou 30% face a 2015 e travou a recuperação evidenciada pela operação. No

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


O fundo Lone Star está para o BES falido como o FMI está para a República Portuguesa falida. A única diferença é que o Lone Star vai reformar, reestruturar e despedir excedentários com vista a criar valor e transformar o BES noutra instituição financeira muito mais profícua, transparente e viável, e ao FMI não lhe foi permitido reformar, reestruturar e despedir excedentários de modo a transformar a República Portuguesa numa outra República muito mais profícua, transparente e viável. Já o fundo de resolução do banco, é exactamente o equivalente directo das contribuições e impostos de quem nada tem a ver com a má gestão, o mau planeamento e a má índole dos responsáveis e beneficiários da crise, que são usados para colmatar as consequências dos erros, roubos e enganos dos outros.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Been spending most their lives living in the banksta's paradise.

Anónimo Há 1 semana

Os resultados operacionais do Banco foram positivos o que quer dizer que o negócio do Banco é viavel e dá lucro. Quando as imparidades estiverem limpas o Banco será um grande negócio para quem o possuir. Os americanos não são parvos.

RuiCon Há 1 semana

Este "Anónimo" comentador está para as pessoas como um barata está para os restantes insectos rastejantes.
Copia os comentários de post em post. Há mais de um mês que destila veneno pelas caixas de comentários.
O BES ou o NB devem ter executado alguma coisa, ou recusado alguma operação.

Anónimo Há 1 semana


O fundo Lone Star está para o BES falido como o FMI está para a República Portuguesa falida. A única diferença é que o Lone Star vai reformar, reestruturar e despedir excedentários com vista a criar valor e transformar o BES noutra instituição financeira muito mais profícua, transparente e viável, e ao FMI não lhe foi permitido reformar, reestruturar e despedir excedentários de modo a transformar a República Portuguesa numa outra República muito mais profícua, transparente e viável. Já o fundo de resolução do banco, é exactamente o equivalente directo das contribuições e impostos de quem nada tem a ver com a má gestão, o mau planeamento e a má índole dos responsáveis e beneficiários da crise, que são usados para colmatar as consequências dos erros, roubos e enganos dos outros.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub