Tecnologias LinkedIn poderá vir a ser bloqueado na Rússia

LinkedIn poderá vir a ser bloqueado na Rússia

O Roskomnadzor, regulador russo das comunicações, afirmou esta quinta-feira, 10 de Novembro, que a rede social empresarial será encerrada no país dentro de dias. Em causa está a recusa de instalação de servidores em solo russo.
LinkedIn poderá vir a ser bloqueado na Rússia
Negócios 11 de Novembro de 2016 às 12:20

O LinkedIn, na interpretação do supervisor russo Roskomnadzor, viola a legislação respeitante à localização da informação, que estipula que empresas internacionais que recolham informações dos utilizadores russos dentro das fronteiras nacionais desde Setembro de 2015 as mantenham no país.

De acordo com um porta-voz do supervisor, citado pelo Wall Street Journal, a rede social será bloqueada dentro de três dias úteis. A mesma fonte revela que já no início de Agosto, um tribunal tinha acusado o LinkedIn de não armazenar dados dos utilizadores russos em solo russo e de processar informações de terceiros que não estão registadas na rede social.

O LinkedIn afirma estar interessado numa reunião com o Roskomnadzor para discutir a legislação de localização de informação.

Por toda a Rússia, o LinkedIn conta com 2,6 milhões de utilizadores.

Para além do LinkedIn, empresas como o Facebook, e o Twitter têm recusado a nova legislação. Já a Alphabet tem vindo a colaborar com as autoridades russas ao mudar alguns dos seus servidores para território russo. O Washington Post sublinha também o eBay, Booking.com e a Uber como empresas que também têm vindo a adaptar-se à legislação russa.

Na passada quinta-feira, conta o Wall Street Journal, a Microsoft foi acusada de abuso de posição dominante pela entidade da concorrência russa, nomeadamente por causa do software antivírus, dizendo que o sistema operativo da Microsoft privilegia o antivírus da empresa, em detrimento do dos concorrentes.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub