Imobiliário Lisboa admite limitar abertura de novos hotéis

Lisboa admite limitar abertura de novos hotéis

A autarquia prepara-se para fazer um levantamento de alojamentos turísticos existentes e, em função do resultado, criar quotas que impeçam a abertura de novas unidades nas zonas da cidade mais sobrecarregadas, avança o Eco. É o resultado do acordo PS/Bloco de Esquerda.
Lisboa admite limitar abertura de novos hotéis
François Philipp
Negócios 08 de novembro de 2017 às 09:35

O acordo assinado entre o PS e o Bloco de Esquerda pra a governação na Câmara de Lisboa prevê a definição de uma capacidade máxima de unidades hoteleiras na cidade, com o objectivo de reservar mais oferta para a habitação permanente e, por isso, a câmara vai impor um travão à abertura de novas unidades hoteleiras, adianta nesta quarta-feira, 8 de Novembro, o site noticioso Eco.

 

Essa medida deverá avançar no próximo ano e será precedida de um levantamento do número de alojamentos actualmente existentes na capital para posteriormente ser possível definir uma "capacidade máxima" por zonas da cidade. Implicará, igualmente, uma revisão do Plano Director Municipal (PDM), um objectivo que também consta do acordo assinado entre Fernando Medina, o presidente eleito, e Ricardo Robles, o vereador eleito pelo Bloco de Esquerda.

 

Segundo o Eco, até final de Fevereiro de 2018 a autarquia avançará com o processo de revisão do PDM para que depois seja possível o "alargamento da lista de bens imóveis de interesse municipal e outros bens culturais e imóveis".

 

A câmara vai igualmente fazer um levantamento da capacidade de alojamento local na cidade.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Paulo Matos Há 1 semana

Ora cá vai uma lista de impactos nefastos, entre outros, que o corajoso anónimo se esqueceu de referir:
- edificado recuperado e em condições de ser habitado;
- mais segurança e menos droga e prostituição;
- melhor aspecto geral e mais vida dos bairros;
- recuperação do comércio local;
- emprego para os locais.

Por isso, não é a limitação que vem tarde, mas sim os estudos. Doidos são aqueles que decidem sem antes analisar todas as informações disponíveis e estudar os respectivos impactos. Por vontade de alguns comentadores, parece que concordam com um país onde se decide maioritariamente por "achismos".

Anónimo Há 1 semana

Só é pena que esta limitação venha tão tarde. Infelizmente as consequência do excesso de oferta hoteleira nas zonas nobres da cidade já teve um impacto demasiado nefasto difícil de contornar. Agora até a estação de Santa Apolónia vai ser um hotel, imagine-se! Está tudo doido!!

pub