Imobiliário Lisboa encaixa nove milhões com venda de património

Lisboa encaixa nove milhões com venda de património

A Câmara de Lisboa colocou 12 activos imobiliários no mercado. Só quatro não encontraram novo dono. O mais caro, no Parque das Nações, foi vendido por 5,9 milhões.
Lisboa encaixa nove milhões com venda de património
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 20 de julho de 2017 às 12:42

A Câmara Municipal de Lisboa encaixou 9,3 milhões de euros na venda de património imobiliário. A hasta pública decorreu na passada sexta-feira, 14 de Julho.

Dos 12 activos disponíveis, só quarto parcelas de terreno - duas no Lumiar e duas em Belém – é que não encontraram novo dono.


O activo mais caro, um terreno na Rua Conselheiro Lopo Vaz, na área do Parque das Nações, foi vendido. O comprador pagou 5,9 milhões de euros pela propriedade com 7.711 metros quadrados, o preço pedido pela autarquia.


O activo mais concorrido foi um terreno na Rua do Vale, na freguesia da Misericórdia, com 25 lanços em praça. O mesmo acabou por ser vendido por 415 mil euros, acima dos 249 mil pedidos pela câmara liderada pelo socialista Fernando Medina.


A autarquia previa encaixar 13,8 milhões de euros com a hasta pública. Todos os compradores foram portugueses.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Os socialistas querem dar tudo a toda a gente com o dinheiro e património que não é deles. Vendidos e vendilhões sem igual. A dívida não para de aumentar. Já venderam os anéis e em breve começaram a dar ordem para se vender os dedos, as córneas e os rins... desde que não sejam os deles. Loucos. Bandidos.

Anónimo Há 3 semanas

O sindicalismo defensor do excedentarismo e do sobrepagamento deve ser totalmente suspenso ad eternum. Está a secar a sustentabilidade do Estado, a competitividade da economia e os garantes e sustentáculos da equidade e igualdade de oportunidades na sociedade portuguesa.

pub
pub
pub
pub