Banca & Finanças Lloyds obtém maiores lucros em nove anos e indemniza clientes em 317 milhões

Lloyds obtém maiores lucros em nove anos e indemniza clientes em 317 milhões

Os resultados líquidos do banco liderado por António Horta-Osório subiram 4% mas ficaram abaixo do esperado.
Lloyds obtém maiores lucros em nove anos e indemniza clientes em 317 milhões
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 27 de julho de 2017 às 08:55

O Lloyds Bank fechou o primeiro semestre com um resultado líquido de 2,5 mil milhões de libras (2,8 mil milhões de euros), o que representa um aumento de 4% para o nível mais elevado em nove anos.

 

Apesar da subida, os lucros do banco liderado por António Horta-Osório ficaram abaixo do estimado pelos analistas, já que o LLoyds aumentou as provisões para fazer face às indemnizações a clientes devido a comissão cobradas indevidamente na venda de seguros de crédito à habitação (PPI, na sigla em inglês). 

 

O banco decidiu colocar de lado mais 700 milhões de libras (783 milhões de euros) para fazer face a estes custos potenciais, que têm pressionado as contas do banco, mas não travando uma subida dos principais indicadores, como mostram os números do primeiro semestre.

 

Ainda assim, como relata a Reuters, este reforço de provisões representa uma surpresa, uma vez que o banco já tinha dado indicações que tal não viria a ser necessário e que este caso estaria perto de ficar encerrado. A nova provisão atira a factura do Lloyds para 18 mil milhões de libras com este caso dos PPI.

 

Num outro caso de indemnização a clientes, o Lloyds também chegou a acordo para compensar 590 mil clientes com incumprimento no crédito à habitação, com um custo total de 283 milhões de libras (317 milhões de euros) e que corresponde a período entre Janeiro de 2009 a Janeiro de 2016.

 

De acordo com a Financial Conduct Authority (FCA), o regulador do sector, o LLoyds "nem sempre fez tudo o que devia para compreender as circunstâncias dos seus clientes quanto estes entraram em incumprimento". Stephen Noakes, director do banco com o pelouro dos serviços aos consumidores, pediu "desculpa aos clientes afectados", garantido que o banco está "de forma pró-activa a tratar dos pagamentos tão rápido quanto possível".

 

Horta-Osório, na conferência com analistas, alertou que as indemnizações do LLoyds aos clientes nunca vão acabar, mas os montantes serão cada vez mais reduzidos.

 

Deixou também a garantia que ficará no banco. "Gosto do cargo, gosto das pessoas do LLoyds, não tenho intenção de ir para lado nenhum", afirmou.

 

As acções estão a evoluir em terreno negativo, cedendo 0,5% na bolsa de Londres. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Francisco António 27.07.2017

Tradicionalmente, os banqueiros costumavam ser reservados ! Mas o homem do Lloyds foge à regra e, qualquer dia ainda se arrisca a ter mais notícias semanais do que o futebolista da Madeira !!!

pub