Banca & Finanças Lobo Xavier: Embrulhada da CGD "vai acabar mal"

Lobo Xavier: Embrulhada da CGD "vai acabar mal"

O advogado considera que o acordo feito entre o Governo e os advogados de António Domingues não é "passível de nenhuma censura política". Só que as Finanças, em vez de o negarem, deviam tê-lo admitido. Agora já é tarde – até porque os jornais ainda não deram tudo.
Lobo Xavier: Embrulhada da CGD "vai acabar mal"
Miguel Baltazar
Negócios 10 de fevereiro de 2017 às 09:30

O acordo feito entre as Finanças e os advogados de António Domingues para criar as condições para que este aceitasse liderar a CGD "é perfeitamente compreensível, não é passível de nenhuma censura política". O que há a censurar é o facto de o Governo não ter assumido que esse acordo existiu, uma táctica que "vai acabar mal". A opinião é de António Lobo Xavier, que avisa que há muito mais correspondência do que a que veio a lume, ameaçando continuar a embaraçar Mário Centeno.

Durante o programa Quadratura do Circulo, exibido esta quinta-feira à noite na SIC-Noticias, o advogado, militante do CDS, comentador político e membro do Conselho de Administração do BPI (que António Domingues também integrava), disse não perceber "como é que o Ministério das Finanças e o Governo gerem um assunto destes desta maneira". 

Se houve um tempo em que o Governo podia ter posto um ponto final na polémica, através de "declarações francas de peito aberto", agora "já é tarde" diz Lobo Xavier. As posições estão muito extremadas e, embora a luta política seja marcada por muitos exageros, "é preciso ir até às últimas consequências". E "vai acabar mal".

Mostrando-se bem informado sobre o caso, Lobo Xavier garante que o que veio a lume nos últimos dias é apenas uma parte das mensagens trocadas entre o Terreiro do Paço e os advogados de António Domingues.

E o que está para vir mostra que tudo foi preparado com consciência dos riscos, que acabaram por ser subestimados pelas equipas de ambos os lados. "Se estes documentos que os jornais transmitem e outros que eu sei que existem vão ser do conhecimento público, vai-se perceber que há uma troca abundante de mensagens, de textos, de papéis sobre a evolução das negociações, do que é preciso fazer, das diligências, como é que se muda a Lei, como não se muda, se é suficiente, se não será, o Tribunal Constitucional", adiantou o advogado e político.

 

Lei à medida é compreensível

Lobo Xavier não vê qualquer problema no facto de o Governo ter aceite fazer uma Lei à medida de António Domingues e da sua equipa, e de ela ter sido preparada, na sua matriz essencial, por um escritório de advogados.

"Era preciso contratar uma equipa que convencesse Bruxelas. A equipa estabeleceu as suas condições e o Ministério das Finanças foi diligente". E, continua a elogiar, "parece que tinha razão porque essa equipa conseguiu um bom acordo para a CGD e para o País".

Só que, "no meio havia um pequeno problema: a equipa queria, não só não estar limitada pelos vencimentos mas queria não entregar as declarações. Os técnicos de ambos os lados foram discutindo se bastaria ou não alterar o Estatuto do Gestor Público (EGP)", e a opção foi ir pela "via mais disfarçada do Decreto-Lei, e esperar que ninguém levantasse a lebre" sobre a Lei de 1983 que obriga à entrega das declarações e que só poderia ser alterada pelo Parlamento (o que traria muita publicidade).

 

Ora, tal "não foi possível, correu mal. Marques Mendes levantou o problema, o Presidente da República também não esteve com meias medidas e disse ao que vinha e o que pensava, e o Governo ficou nesta posição".

 

Face a este cenário, Lobo Xavier acha que o Ministério das Finanças devia ter simplesmente assumido que "de facto, houve conversas no sentido de eximir os novos administradores à apresentação de declaração no Tribunal Constitucional, houve trabalho jurídico nesse sentido. A partir de uma certa altura, depois da intervenção de Marques Mendes na televisão deixou de haver condições de o Governo suportar o que tinha combinado".

"Acho que isto não custa dizer", até porque processo não "é passível de nenhuma censura política". 




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado mmmpinto 10.02.2017

Com a minha já bem avançada idade, nunca pensei ser possível, ver o meu país, tão radicalizado e transformado no que parece ser uma parada militar. esquerda direita esquerda, marcando passo à voz de um comando, que se ignora onde está. O Presidente da República, que teve o meu voto, mais o de muitos portugueses que procuram firme liderança, começam a interrogar, se o árbitro, está ler bem o terreno de jogo. Claro que a actuação do governo, parece colocar a nu, terem sido feitas leis, à medida de pessoas, em vez de respeitarem o todo. O "sítio" onde vivemos, começa a dar a ideia, de ser uma espécie de quinta, dividida em talhões, para repartir pelas "seitas" que fizeram dela coisa sua. O senhor Presidente, que todos sabemos ser sério, deverá ser menos comentador, embora actuante, não despendendo tantas energias com com os afectos, sobrando-lhe espaço para ser juiz imparcial. É preciso que sejamos todos respeitados, também como gente séria a detestar habilidades!!!

comentários mais recentes
SALAZAR 16.02.2017

ESTE XAVIER É AMIGO DO DOMINGUES, O TAL QUE TUDO FEZ PARA NÃO APRESENTAR A DECLARAÇÃO DE PATRIMÓNIO... TUDO GENTE SÉRIA... PSD E CDS SÃO UMA VERGONHA, UM NOJO, PARA QUALQUER PESSOA DA VERDADEIRA "DIREITA" EM PORTUGAL... UM BANDO DE CRIMINOSOS... DEIXEI DE VOTAR NESSES BANDIDOS HÁ MAIS DE 10 ANOS...

Porco guloso 13.02.2017

Só faltava este direitolas da direita mais radical e retrógrada vir ajudar ao coro.
Este guloso deve ter perto de vinte tachos.

beachboy 11.02.2017

...as declarações de Lobo Xavier mostram claramente aquilo que sempre pensei dele...
...que se tratáva de um mercenário sem o mínimo de escrupolos...
...cuja a única regra de vida tem sido ganhar a vida a servir os interesses de quem lhe pagar mais e muito...
...e detrimento de todos os outros Portugueses...
...claramente um indivíduo que se dedica a negociar a feitura de excepções às leis para os seus clientes, com prejuízo para a sociedade ...
...um exemplo claro do que é o tráfico de informações, de influência de corrupção...
...mais sórdido e nogento é difícil...
...isto tudo feito a coberto de uma postura low profile e de não ostilização dos outros...
...para se poder dedicar ao seu tráfico sem suscitar oposições...
...com se diz em Portugal sem o menor problema - um facilitador !!!...

Criador de Touros 11.02.2017

Eu explico. De esquerda não sou. Da nossa direita não gosto. Na esquerda nunca voto. Voto sempre na direita, mas não gosto dos cromos. Foi pena que a esquerda tivesse assassinado o Adelino Amaro da Costa, juntamente com interesses internacionais, ao que se diz nos jornais. Ainda segundo os testemunhos da época, esse político foi uma pessoa extraordinária: católico praticante, democrata-cristão, grande orador, grande parlamentar, muito educado, culto, bem formado, inteligente e por isso o mataram. É de uma direita assim que eu gosto. Muita gente da direita em Portugal pensa como os de esquerda: uns pobres posmodernos que não sabem donde vêm e não sabem para onde vão. Triste sina a deste povo !!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub