Start-ups Loja de aplicações Aptoide fecha parceria com sistema operativo indiano

Loja de aplicações Aptoide fecha parceria com sistema operativo indiano

A Aptoide, a terceira maior loja de aplicações do mundo, fechou um acordo de parceria com Indus OS, o primeiro sistema operativo regional do mundo e o segundo mais utilizado na Índia.
Loja de aplicações Aptoide fecha parceria com sistema operativo indiano
Miguel Baltazar
Ana Laranjeiro 10 de janeiro de 2017 às 08:34

A Aptoide é a terceira maior loja de aplicações móveis (app store) do mundo e é portuguesa. Esta segunda-feira, 9 de Janeiro, assinou uma parceria com a Indus OS, o primeiro sistema operativo regional do mundo e o segundo mais utilizado na Índia. Esta start-up é uma das empresas que acompanha António Costa, primeiro-ministro, na visita oficial à Índia.

"A parceria entre a Aptoide e a Indus OS permitirá a introdução de 700 mil apps no App Bazaar, a loja de apps deste sistema operativo de carácter regional. Através da Aptoide, o App Bazaar verá a sua oferta aumentar de 50 mil para 750 mil aplicações", refere o comunicado enviado às redacções pela empresa.

A loja de aplicações deste sistema operativo indiano permite que os seus utilizadores tenham acesso "a um conjunto de aplicações – globais e locais – em inglês e em 12 idiomas locais, podendo descarregar apps pagas sem recorrer a cartão de crédito, uma modalidade de pagamento ainda pouco acessível à maioria da população indiana".


"É a oportunidade perfeita para fazer parte de um grande projecto regional. Além disso, a Índia é um dos maiores mercados do mundo e a Aptoide está realmente focada em crescer nele com uma loja de aplicações aberta e inovadora", refere Álvaro Pinto (na foto), COO e co-fundador da Aptoide, em comunicado.

A Aptoide nasceu em 2011 tem mais de 140 milhões de utilizadores e mais de três mil milhões de downloads. Em entrevista ao Negócios no início de Outubro do ano passado, Álvaro Pinto dizia que a empresa contava com "uma base de utilizadores na América Latina muito forte".

"O primeiro mercado da América Latina, e que continua a ser um dos mais fortes, foi o México. O brasileiro, actualmente, é um mercado muito importante porque é o nosso maior. Além disso, é um mercado que continua a expandir-se a uma velocidade muito considerável. No Médio Oriente, começamos a ter alguns mercados interessantes onde já temos uma base de utilizadores muito interessante que é o caso da Arábia Saudita, Iraque, Irão. No Norte de África, estamos ainda a dar os primeiros passos, mas é um mercado onde vemos uma tendência de crescimento dos nossos números".

Nessa mesma entrevista, o responsável sustentava que concorrer com o Google Play e com a Amazon, as duas maiores lojas de aplicações, é "um desafio porque somos uma start-up, com uma estrutura relativamente pequena, apesar de toda a ambição que temos de crescer rapidamente". 

Startup Visa: a porta de entrada das start-ups indianas em Portugal

O Governo português anunciou esta segunda-feira, 9 de Janeiro, na Índia, o "Startup Visa", um programa de facilitação de vistos para empreendedores indianos. Este programa tem como destinatários os empreendedores indianos que querem lançar as suas start-ups em Portugal. Licenciados em Engenharia e Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) estão também abrangidos por esta medida, de acordo com o comunicado enviado às redacções.

"O ‘Startup Visa’ está desenhado para facilitar o acesso a Portugal e a concessão de títulos de residência e de trabalho para estas categorias específicas dos requerentes de vistos", pode ler-se no documento.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub