Media Lucro da Cofina cai 56% para 1,5 milhões de euros

Lucro da Cofina cai 56% para 1,5 milhões de euros

Os resultados dos nove primeiros meses do ano do grupo de media foram impactados pelos custos de reestruturação.
Lucro da Cofina cai 56% para 1,5 milhões de euros
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Ribeiro 03 de novembro de 2017 às 19:33

A Cofina atingiu um resultado líquido de 1,5 milhões de euros até Setembro, o que representa uma queda de 56,3% face aos primeiros nove meses do ano passado. "Os resultados deste período foram fortemente impactados pelos custos de reestruturação que ascenderam a 2,5 milhões de euros", explica a Cofina em comunicado emitido esta sexta-feira, 3 de Novembro, à CMVM.

As receitas totais caíram 9,4% para os 67,1 milhões de euros, com as receitas de circulação a diminuírem 10,8% e as de publicidade 6,2%. As receitas de produtos de marketing alternativo também recuaram 10,8% no período em análise.

Os custos registaram uma queda de 9,6% para os 57,9 milhões de euros. No entanto, "esta descida não compensou a quebra verificada nas receitas motivando uma descida do EBITDA de 7,7% para os 9,2 milhões de euros face aos 10 milhões verificados no ano anterior", acrescenta o grupo que detém o Jornal de Negócios, Correio da Manhã, Sábado e Record.

Analisando as contas por áreas, no terceiro trimestre o segmento de jornais, que inclui os resultados da CMTV, registaram uma queda das receitas de 7,2% para 19,7 milhões de euros. Uma evolução justificada pela queda das receitas provenientes de circulação (-9,4%), de publicidade (-2,8%) e da rubrica de produtos de marketing alternativos (-8,2%).

No que toca aos custos, excluindo os derivados da reestruturação, houve um decréscimo de cerca de 9%, o que levou ao aumento do EBITDA em 1,2% para 3,6 milhões de euros.

No segmento de revistas, durante o terceiro trimestre as receitas totalizaram 3,3 milhões de euros, menos 21,6% face ao período homólogo. Os proveitos da circulação caíram 25% e os derivados da publicidade 38%.

Já os custos operacionais deste segmento diminuíram 21,7% para 3,3 milhões de euros.

No âmbito do processo de reestruturação do portfólio de títulos, a Cofina relembra que "não foi renovado o contrato com a Condé Nate pelo que, desde Setembro, a revista mensal de moda Vogue deixou de ser publicada pela Cofina".

No mesmo comunicado, a empresa explica que este processo "passa por uma optimização do portfólio de meios, pela reorganização das redacções e pelo investimento em áreas de negócio com forte potencial, como seja o digital e o jogo online".

Sobre a plataforma de jogo online lançada pelo grupo, A Nossa Aposta, sublinha que os indicadores financeiros "ainda são muito recentes" mas "evidenciam uma tendência positiva e de crescimento". Além disso, explica que "A Nossa Aposta é consolidado através do método de equivalência patrimonial, não tendo por isso impacto nas receitas operacionais e no EBITDA do grupo".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
sa Há 2 semanas

cofina brevemente a 0.75 eur

Investidor Há 2 semanas

AI, AI CAIU 56% MAIS QUE OS CTT, ANALISTAS TEM QUE CORTAR 30% NA COTAÇÃO DA COFINA. PALHAÇOS.

pub