Energia Lucro da REN cresceu 26,1% para 88,9 milhões até Setembro

Lucro da REN cresceu 26,1% para 88,9 milhões até Setembro

O EBITDA subiu 2% nos primeiros nove meses à boleia da consolidação dos resultados da chilena Electrogas.
Lucro da REN cresceu 26,1% para 88,9 milhões até Setembro
André Cabrita-Mendes 03 de novembro de 2017 às 17:14
O lucro da REN cresceu 26,1% para 88,9 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2017 face ao período homólogo. Já o lucro recorrente subiu 21,3% para 116,9 milhões de euros durante o mesmo período.

Os lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) subiram 2% para 364,4 milhões de euros, anunciou a empresa esta sexta-feira, 3 de Novembro.

O EBITDA da empresa liderada por Rodrigo Costa subiu à boleia da consolidação dos resultados da chilena Electrogas (5,8 milhões), empresa detida em 42,5% pela REN desde Fevereiro.

Por outro lado, o resultado sofreu com a menor remuneração da base de activos do gás natural (menos 8,3 milhões de euros face a 2016), em que o RoR médio [rácio que calcula a remuneração dos activos a dividir pela base de activos regulados (RAB)] caiu dos 6,9% para 6,1%. Já a Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético (CESE) pesou 25,8 milhões nas contas da REN.

Olhando para estes impactos nas suas contas, a REN diz que os seus resultados continuam a sofrer com a contribuição extraordinária imposta ao sector energético, assim como por uma menor remuneração associada aos activos do gás natural".

A dívida líquida subiu 2,2% para 2.540 milhões de euros devido ao impacto da aquisição da Electrogas (169,3 milhões de euros), com o custo médio da dívida a recuar de 3,4% para 2,6% até Setembro.

A REN fechou a compra da EDP Gás (actualmente denominada REN Portgás). "A REN pretende assim ampliar a sua actividade no mercado doméstico, em linha com o seu actual quadro estratégico, sem comprometer a solidez do seu perfil financeiro e de crédito", pode-se ler no documento divulgado pela REN.

Sobre as compras da Electrogas e da EDP Gás, a REN diz que "estes investimentos ampliaram as áreas de negócio da REN, sem comprometer o seu sólido perfil financeiro e de crédito, nem a sua política de dividendos. Como reconhecimento, após a comunicação destas transacções, a REN viu o seu nível de investimento a ser reafirmado pelas três principais agências de rating".

A REN vai financiar a compra da Portgás através da realização de um aumento de capital, no valor de 250 milhões de euros, uma operação que vai estar reservada "aos accionistas da empresa que exerçam os respectivos direitos de preferência, bem como aos demais investidores que adquiram direitos de subscrição no mercado de capitais. Os termos e condições do aumento de capital serão em breve anunciados pela REN".

(Notícia actualizada às 17:39)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub