Banca & Finanças Lucros da Ageas sobem impulsionados por Portugal

Lucros da Ageas sobem impulsionados por Portugal

A operação nacional ajudou os lucros da Europa Continental a quase duplicarem, para 15 milhões de euros. Em Portugal, os proveitos do negócio aumentaram para 553,1 milhões de euros, uma subida de 47,33%.
Lucros da Ageas sobem impulsionados por Portugal
DR/Ageas
Paulo Zacarias Gomes 10 de maio de 2017 às 11:42

A operação portuguesa da seguradora Ageas – que detém no país a Médis, o negócio da Axa e a Ocidental Vida – ajudou a impulsionar os lucros do grupo belga, que salienta a boa performance da operação nacional tanto nos seguros vida como no ramo não-vida.


A empresa, que esta quarta-feira, 10 de Maio, apresentou lucros de 167,9 milhões de euros no primeiro trimestre - uma subida de 17% em relação ao período homólogo de 2016 – salienta o contributo do aumento das receitas na operação portuguesa para os resultados líquidos da região da Europa Continental, que quase duplicaram para cerca de 15 milhões de euros, ajudados também por ajustamentos no valor de activos no Luxemburgo.


No total, os proveitos do negócio em Portugal (liderado por José Gomes, na foto) aumentaram para 553,1 milhões de euros, uma subida de 47,33%. A inclusão do negócio português reflectiu um aumento de 32% das receitas do negócio vida, para 378 milhões de euros, em contraciclo com uma queda de 4% no volume de negócios deste ramo na Europa Continental.


No ramo vida a empresa salienta que os bons resultados resultam da combinação de mais vendas na Ocidental (+25%) e da inclusão da Ageas Seguros por 21 milhões de euros. Já o negócio não-vida viu as receitas em Portugal subirem para 175 milhões de euros.


No total da operação da Ageas a nível internacional, as receitas ascenderam a 10 mil milhões de euros, uma subida de 24% face ao primeiro trimestre do ano passado.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
}
pub