Transportes Lucros da Brisa aumentam 82% até Junho

Lucros da Brisa aumentam 82% até Junho

As receitas de portagem da Brisa Concessão Rodoviária cresceram 8% nos primeiros seis meses deste ano, com o tráfego a subir 7,4%. A concessionária registou lucros de 48,7 milhões de euros.
Lucros da Brisa aumentam 82% até Junho
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 28 de julho de 2017 às 18:09

O tráfego nas auto-estradas da Brisa Concessão Rodoviária (BCR) cresceu 7,4% no primeiro semestre deste ano, anunciou a empresa em comunicado.

Até Junho os proveitos operacionais da concessionária atingiram os 257,7 milhões de euros, o que significa um aumento de 8,2% face ao período homólogo, tendo as receitas de portagem somado 251,6 milhões de euros, mais 8% face ao primeiro semestre de 2016. Um crescimento resultante quer do aumento do tráfego quer da actualização das taxas de portagem em 0,8% este ano.

De acordo com a BCR, o crescimento orgânico do tráfego foi neste período de 7,7%, sendo que "a localização menos favorável dos dias feriados em 2017, assim como a perda de um dia no primeiro semestre de 2017 face a 2016 – em virtude deste ter sido um ano bissexto – tiveram contributo negativo para o crescimento final da circulação".

Como refere, todas as auto-estradas que integram a concessão principal do grupo continuaram a registar um desempenho positivo.

O resultado líquido da BCR foi nestes seis meses de 48,7 milhões de euros, o que significa um aumento de 82,2% face aos 26,7 milhões obtidos em Junho de 2016.

Os custos operacionais da empresa atingiram neste período 64,4 milhões de euros, mais 3,7% do que no primeiro semestre de 2016, "reflectindo o expressivo aumento da actividade que se tem vindo a verificar", explica a concessionária do grupo liderado por Vasco de Mello (na foto). Os custos com pessoal subiram 14,1%.

O EBITDA da BCR foi de 193,3 milhões de euros, mais 9,8% do que há um ano.

Também os resultados financeiros registaram uma melhoria de 15,3 milhões, tendo passadi de 55,4 milhões negativos em Junho de 2016 para 39,8 milhões de euros negativos agora.

A  30 de Junho a dívida bruta contabilística da BCR era de 2.407 milhões de euros, tendo aumentado 206 milões face ao final de 2016.

O investimento na rede concessionada totalizou nos primeiros seis meses deste ano 19,4 milhões de euros, referindo a BCR que no segundo semestre o investimento na infra-estrutura "deverá ser superior".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 31.07.2017

Ainda bem que não vendi as minhas acções a este banco, com a cumplicidade do meu gestor da CGD. É só vigaristas

Anónimo 29.07.2017

Este tipo andou a usar informação privilegiada e não acontece nada. A CMVM anda a dormir na forma. Os jornais nem dão conta do facto. Os ricos e poderosos safam se sempre.

5640533 29.07.2017

Depois de passar a perna a tanto accionista....

alt 28.07.2017

Olha sóçio, Zé Manel obrigado por a boa gestão que tens levado a cabo neste mar tomultuoso por que temos passado nos últimos anos, eu cá vou com as minhas 200 açôes da briza

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub