Energia Lucros da EDP Renováveis caem mais do que o esperado

Lucros da EDP Renováveis caem mais do que o esperado

A EDP Renováveis fechou os primeiros nove meses com um lucro de 29 milhões de euros, um valor inferior ao que estava a ser estimado pelos analistas.
Lucros da EDP Renováveis caem mais do que o esperado
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 03 de novembro de 2016 às 07:23

A EDP Renováveis registou um resultado líquido de 29 milhões de euros no acumulado dos primeiros nove meses do ano, menos 71% do que há um ano, revelou esta quinta-feira, 3 de Novembro, a empresa liderada por Manso Neto em comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.


Este valor ficou aquém das estimativas dos analistas. O CaixaBI previa um lucro de 37 milhões e o Haitong um resultado líquido de 36 milhões. 

Isolando o terceiro trimestre, a empresa registou um prejuízo de 30 milhões de euros, em linha com o previsto pelo Haitong. Este é assim o segundo trimestre consecutivo de prejuízos registados pela Renováveis, algo que nunca aconteceu antes.

Os dados da produção de energia já tinham sido reportados, no dia 18 de Outubro. Entre Janeiro e Setembro a produção da EDP Renováveis aumentou 20% face ao período homólogo, com os aumentos de produção em Portugal (+90%) e no Brasil (+182%) a serem os mais relevantes.

As receitas da empresa subiram 12% para 1,2 mil milhões de euros, a beneficiarem "do aumento da capacidade em operação" e "do superior factor de utilização", indicadores que foram contrariados pela queda do preço de venda, explica a Renováveis. 

"Se ajustado por eventos não recorrentes o EBITDA cresceu 17%" quando comparado com o mesmo período do ano passado. "Os eventos não recorrentes repercutiram-se num impacto de -58 milhões de euros, principalmente pelo ganho decorrente da aquisição de controlo de determinados activos da ENEOP, assim como de abates de activos nos nove meses de 2015", acrescenta a mesma fonte.

Por mercados, na Europa, a Renováveis aumentou as receitas em 14% para um total de 681,5 milhões de euros, enquanto o EBITDA diminuiu 3% para 496,5 milhões. Em Portugal e Espanha verificou-se uma melhoria das vendas, enquanto o EBITDA caiu em ambos os mercados. Nos EUA, as receitas cresceram 9% para 565,9 milhões e o EBITDA melhorou 26% para 394,6 milhões. No Brasil, as receitas subiram 65% para 90,9 milhões e o EBITDA cresceu 89% para 62,3 milhões de euros.


(Notícia actualizada às 7:43 com mais informação)


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ja roubam pouco Ja. 03.11.2016

Estes vendidos Jornalecas a porpagandear os Roubos que somos obrigados, a pagar pois estes criminosos so têm lucros, dos precos ponograficos que se praticam neste paraiso de ladroes, E O Marcelo e o Costa a Fazer ferias de Luxo.Paga Ze.

Maria Luisa Correia 03.11.2016

ganhem menos !!

Clara Vicente 03.11.2016

29 milhões??? Só???? Tadinhos !!!

Pedro Alves 03.11.2016

Desculpas para novos aumentos. ...????????

pub
pub
pub
pub