Empresas Lucros da José de Mello Saúde sobem 4,3% no primeiro semestre

Lucros da José de Mello Saúde sobem 4,3% no primeiro semestre

A José de Mello Saúde, grupo privado de saúde que detém os hospitais CUF, comunicou à CMVM uma subida de 4,3% do resultado líquido o primeiro semestre atribuível aos seus accionistas.
Lucros da José de Mello Saúde sobem 4,3% no primeiro semestre
Bruno Simão/Negócios
Carla Pedro 14 de agosto de 2017 às 20:18

A José de Mello Saúde registou, entre Janeiro e Junho, um resultado líquido de 13,3 milhões de euros, o que representa um aumento de 4,3% dos seus lucros face ao período homólogo do ano passado, fruto do desempenho operacional do grupo e da redução nos custos financeiros durante este período (-5,7% face ao homólogo).

 

Os proveitos operacionais subiram 7,5% face aos primeiros seis meses de 2016, situando-se em 320,7 milhões de euros, sendo que nos hospitais privados os proveitos cresceram 10,6% e nos cuidados de saúde públicos 1,8%.

 

Em contrapartida, o EBITDA (resultados antes de impostos, depreciações e amortizações) caiu 3,2%, fixando-se nos 39,1 milhões de euros. Mas, face ao EBITDA ajustado do período homólogo, esse valor de 39,1 milhões de euros representou um crescimento de 6,5%.

 

O EBITDA ajustado exclui os proveitos operacionais referentes aos programas verticais de financiamento a tratamentos de HIV e esclerose múltipla registados nas contas do primeiro semestre de 2016 na PPP de Braga, 3,7 milhões de euros, que no final do ano de 2016 foram considerados como ativos contingentes.

 

No que respeita ao segmento público, sublinha o comunicado enviado à CMVM, "apesar de um contexto de grande dificuldade o crescimento da actividade foi acompanhado por uma melhoria na eficiência operacional com impacto positivo no resultado, que nos primeiros seis meses de 2017 registou um valor positivo de 0,8 milhões de euros".

 

No entanto, ressalva, "a quase ausência de margem operacional na PPP de Vila Franca de Xira e a margem negativa na PPP de Braga constitui um risco face a eventuais factos imprevistos".

 

"Os comprovados benefícios económicos para o Estado Português das parcerias de Braga e Vila Franca de Xira, superiores a 30 milhões de euros por ano, convivem com a ausência de rentabilidade e retorno acionista para a José de Mello Saúde. A sustentabilidade futura das parcerias publico-privadas pressupõe um maior equilíbrio de benefícios entre o Estado e o operador privado", refere ainda a empresa no seu relatório e contas do primeiro semestre.

 

Por outro lado, no final do primeiro semestre de 2017, a dívida financeira bruta consolidada registava um valor de 234,2 milhões de euros, o que representou um aumento de 16,2 milhões de euros face ao final de 2016. Este aumento explica-se fundamentalmente pelo esforço de investimento em novas unidades, salienta a José de Mello Saúde.

 

"Adicionalmente, a dívida financeira líquida sofreu também um incremento de 10,6 milhões de euros durante o mesmo período, registando no final de Junho de 2017 um valor de 165,5 milhões de euros", acrescenta.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub