Tecnologias Lucros da Netflix disparam mas subscritores ficam abaixo das expectativas

Lucros da Netflix disparam mas subscritores ficam abaixo das expectativas

A Netflix, que fornece um serviço de "streaming" de vídeo, e que chegou a Portugal em Outubro de 2015, reportou resultados acima do esperado no primeiro trimestre. No entanto, segue a cair em bolsa, dado que não atendeu às expectativas em matéria de assinantes.
Lucros da Netflix disparam mas subscritores ficam abaixo das expectativas
David Paul Morris/Bloomberg
Carla Pedro 17 de abril de 2017 às 22:52

O resultado líquido da norte-americana Netflix no primeiro trimestre disparou para 178 milhões de dólares (40 cêntimos por acção). Os analistas apontavam para um lucro por acção de 13 cêntimos.

 

Já as receitas cresceram 35%, para 2.640 milhões de dólares, ficando em linha com as projecções dos analistas consultados pela Bloomberg.

 

No entanto, os resultados apresentados pela Netflix esta segunda-feira à noite, após o fecho da sessão bolsista, não agradaram ao mercado devido à base de subscritores, que ficou aquém do esperado.

 

Os analistas consultados pela Bloomberg esperavam que o número de novos assinantes ascendesse a 5,49 milhões entre Janeiro e Março, mas a Netflix teve "apenas" 4,95 milhões de novos registos.

 

No último trimestre de 2016, a tecnológica liderada por Reed Hastings tinha atingido um recorde de 7,05 milhões de novos subscritores, superando as estimativas dos analistas.

 

Espera-se agora que a empresa consiga "dar a volta por cima" no segundo trimestre. A tecnológica sediada em Los Gatos, na Califórnia, tem na carteira o lançamento de novos potenciais "hits", incluindo as novas temporadas de House of Cards, Orange is the New Black e Master of None.

 

Segundo os cálculos da Bloomberg, a Netflix tem de ter mais alguns milhões de novos assinantes, todos os trimestres, para ter ajuda no pagamento de milhares de milhões de dólares que gasta a realizar programas de TV e filmes ou a licenciar programas de outros. A empresa destinou, no seu plano de investimento, 15,3 mil milhões de dólares para filmes e programas de TV nos próximos cinco anos.

 

As acções da empresa estão a reagir em baixa aos resultados, seguindo a cair 2,3% para 143,80 dólares na negociação fora de horas do mercado nova-iorquino. No acumulado do ano sobem cerca de 13%.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub