Desporto Lucros da Nike sobem 7% no terceiro trimestre

Lucros da Nike sobem 7% no terceiro trimestre

No trimestre terminado em Novembro, a Nike revelou uma subida de 7% nos lucros. O resultado vem num contexto de crescimento da procura nos Estados Unidos e na China.
Lucros da Nike sobem 7% no terceiro trimestre
REUTERS
Negócios 21 de dezembro de 2016 às 16:29

O fabricante de material desportivo Nike concluiu o segundo trimestre fiscal (terminado a 30 de Novembro) com lucros de 842 milhões de dólares, uma subida de 7% em relação ao mesmo período de 2015.

A subida foi acompanhada de um aumento de 6% nas receitas, que se cifraram em 8,18 mil milhões de dólares. À facturação apurada corresponderam custos de venda de 4,56 mil milhões de euros, um agravamento de 9% em relação ao ano passado. 


O peso relativo do lucro bruto sobre a facturação - a margem bruta - caiu 1,4 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado, para 44,2%. A subida dos preços foi ofuscada pelo aumento dos custos de produção, das mudanças desfavoráveis nas taxas de câmbio e do aumento de vendas off-price, explica a companhia.


As acções da empresa recuam 0,23% para 51,67 dólares em Nova Iorque.


Nos últimos meses, a Nike tem apostado nas vendas directas, em melhorias nas aplicações de compras online e no ajuste de preços de alguns produtos em loja como ténis de basquetebol de assinatura.


Os altos preços praticados pela marca foram, no ano passado, apontados pelo CEO da Foot Locker, Dick Johnson, como parte da justificação para o facto de dois modelos de ténis de assinatura terem ficado para trás nas vendas. 


De acordo com o jornal The Wall Street Journal, a empresa aposta ainda em desenvolver uma cadeia de fornecimento mais rápida, para colocar os produtos no mercado no espaço de semanas, em vez de meses.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 21.12.2016


O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


comentários mais recentes
Anónimo 21.12.2016


O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


pub