Empresas Lucros da PT baixam para 339 milhões de euros em 2011

Lucros da PT baixam para 339 milhões de euros em 2011

A Portugal Telecom anunciou hoje que obteve resultados líquidos de 339,1 milhões de euros, um valor que ficou abaixo do estimado, devido ao desempenho da Oi e à quebra na actividade em Portugal. A empresa não anunciou alterações à política de dividendos.
Nuno Carregueiro 30 de março de 2012 às 07:55
A PT atingiu lucros de 339,1 milhões de euros em 2011. Em 2010 a empresa liderada por Zeinal Bava tinha apurado lucros de 5,672 mil milhões de euros, um valor empolado pela mais-valia realizada com a venda da posição na Vivo aos espanhóis da Telefónica.

Ainda assim, os lucros reportados pela Portugal Telecom ficaram abaixo das estimativas dos analistas, já que o desempenho da Oi, que também hoje apresentou os resultados anuais, ficou bem abaixo das expectativas do mercado. Analistas contactados pela Lusa aguardavam que a PT terminasse 2011 com resultados líquidos de 376 milhões de euros.

Ao contrário do habitual, a Portugal Telecom, no comunicado com a apresentação de resultados, não anunciou alterações à política de dividendos.

Quebra nas receitas em Portugal

As receitas operacionais da PT aumentaram 64,3% para 6,147 mil milhões de euros, enquanto o EBITDA aumentou 46,7% para 2,19 mil milhões de euros. A comparação destes indicadores com 2010 também foi afectada pela alteração do perímetro de consolidação da companhia, que passou a integrar a posição na brasileira Oi.

Contudo, no desempenho operacional a PT superou as previsões, já que os analistas apontavam para receitas de 6,094 mil milhões de euros. O EBITDA ficou precisamente em linha com o estimado.

Em termos comparáveis, as receitas operacionais consolidadas da PT desceram 9,7% face a 2010, para 3,38 mil milhões de euros, em “resultado do decréscimo nas receitas dos negócios de telecomunicações em Portugal e da integração da Dedic / GPTI na Contax a partir de 1 de Julho de 2011”. Em Portugal as receitas caíram 7,4%.

Também excluindo a alteração no perímetro de consolidação, o EBITDA em 2011 teria decrescido 5,8% para 1,4 mil milhões de euros. O EBITDA dos negócios de telecomunicações em Portugal ascendeu a 1.306 milhões de euros em 2011.

No comunicado com a apresentação de resultados, a PT destaca que a margem EBITDA consolidada atingiu 35,6%, “impulsionada pela sólida margem dos negócios de telecomunicações em Portugal que atingiu 45,1%, um aumento de 1,1 pontos percentuais face a 2010”.

No negócio das telecomunicações em Portugal, a PT aumentou em 5,9% o número de clientes de acessos fixos de retalho no decorrer do quarto trimestre, para um total de 4,795 milhões. A impulsionar este segmento continua o Meo, que angariou 68 mil novos clientes no quarto trimestre, para um total de 1,042 milhões.

Nas telecomunicações móveis, onde a PT está presente através da TMN, o número de clientes aumento 0,3% no quarto trimestre, para 7,444 milhões.

Dívida acima dos 4 mil milhões de euros

A PT chegou ao final de 2011 com uma dívida líquida, excluindo a consolidação proporcional da Oi e da Contax e o efeito fiscal da transferência do fundo de pensões para o Estado, de 4.068 milhões de euros, o que representa um aumento de 93,7% face a 2010. A dívida líquida ajustada está agora em 2,6 vezes o EBITDA, contra 1,4 x em 2012. O custo da dívida líquida, excluindo também o efeito da participação no Brasil, foi de 3,3%.

Os juros líquidos suportados pela PT aumentaram para 297 milhões de euros em 2011, o que compara com 185 milhões de euros em 2010. Segundo a empresa, esta subida “reflecte “principalmente a consolidação proporcional da Oi, da Contax e dos seus accionistas controladores a partir de 1 de Abril de 2011”. Excluindo este efeito os custos com juros teriam descido 63 milhões de euros.

O investimento operacional da PT (capex) aumentou 53,3% face a 2010, para 1,224 milhões de euros, sendo que excluindo o impacto da consolidação da Oi este indicador teria recuado 6,1% para um valor equivalente a 22,2% das receitas.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 30.03.2012

Para além disso salários da administração continuam acima da média europeia (em que as empresas são todas maiores)

Para cumulo os bonus vão aumentar mesmo que administração falhe objectivos em 15%.

As receitas no próximo ano podem voltar a cair que estes malandros continuam a ganhar milionariamente! Que vergonha!!!

comentários mais recentes
Anónimo 01.04.2012

proclamam sempre k os lucros se devem a atividade no exterior, mas ha uma ligeira quebra no consumo interno neste monopolio e ja baixam os lucros.
n ha vergonha e o povinho continua a ser sonsinho.

Anónimo 30.03.2012

Para além disso salários da administração continuam acima da média europeia (em que as empresas são todas maiores)

Para cumulo os bonus vão aumentar mesmo que administração falhe objectivos em 15%.

As receitas no próximo ano podem voltar a cair que estes malandros continuam a ganhar milionariamente! Que vergonha!!!

pub