Energia Lucros da REN recuaram 23% até Setembro

Lucros da REN recuaram 23% até Setembro

O resultado líquido foi impactado por vários itens não recorrentes em 2015 e pela taxa extraordinária da energia.
Lucros da REN recuaram 23% até Setembro
Bruno Simão/Negócios
André Cabrita-Mendes 04 de Novembro de 2016 às 17:11
O lucro da REN recuou 23,1% para 70,5 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2016.

O resultado líquido foi impactado por vários itens não recorrentes durante 2015, como a mais-valia relativa à venda da participação da REN na espanhola Enagás (mais 16 milhões) e a recuperação extraordinária de impostos (9,9 milhões).

Este resultado foi "ainda penalizado pela manutenção do pagamento da contribuição extraordinária do sector energético aprovada aquando do Orçamento do Estado de 2016", no total de 25,9 milhões.

Este valor ficou em linha com o estimado pelos analistas do Caixabi que previam precisamente um recuo de 23% para 70,5 milhões de euros.

Já o resultado líquido recorrente subiu 3,3% para 96,4 milhões de euros. Este resultado foi suportado pela melhoria do resultado financeiro da empresa (mais 10%).

Ao mesmo tempo, o custo médio da dívida é mais reduzido (caiu de 4% para 3,4%). "Temos feito um trabalho muito bom, não é só o facto do BCE [Banco Central Europeu] estar a intervir", disse ao Negócios o administrador financeiro da REN, Gonçalo Morais Soares.

"Conseguimos reduzir os nossos custos de financiamento, refinanciámos quase um terço da nossa dívida este ano", apontou o gestor.

Os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) recuaram 4,1% para 357,2 milhões de euros. A pesar no resultado estiveram, principalmente, eventos não recorrentes, como a venda da participação na Enagás.

"A REN apresentou uma performance operacional estável, como esperado, destacando-se o aumento do resultado líquido recorrente e a redução dos custos operacionais core", pode-se ler no documento divulgado pela empresa.

(Notícia actualizada às 19:05)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub