Tecnologias Lucros da Sonaecom caem 85% com queda das acções da Nos

Lucros da Sonaecom caem 85% com queda das acções da Nos

O desempenho em bolsa da Nos afectou de forma negativa os resultados financeiros da Sonaecom.
Lucros da Sonaecom caem 85% com queda das acções da Nos
Pedro Elias/Negócios
Nuno Carregueiro 08 de novembro de 2016 às 17:35

A Sonaecom alcançou lucros de 6 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que representa uma queda de 85% face aos 40,3 milhões de euros obtidos no mesmo período do ano passado.

 

A empresa controla 50% da Zopt, que por sua vez é titular de 52,15% do capital da operadora de telecomunicações Nos. A companhia liderada por Miguel Almeida foi a responsável pela queda dos lucros da Sonaecom, já que os resultados financeiros foram "influenciados negativamente pelo ajustamento ao justo valor da participação directa na Nos, que tem por base o preço de mercado até à sua venda".

 

O efeito negativo foi de 15,7 milhões de euros, o que contribui para os resultados financeiros negativos de 5,2 milhões de euros que a Sonaecom registou nos primeiros nove meses do ano.

 

Ao nível operacional, o volume de negócios desceu 1,6% para 98,1 milhões de euros, devido à descida de 1,4% nas receitas de serviço e quebra de 1,9% nas vendas de equipamentos.

 

Em sentido contrário os custos aumentaram 1% para 98,4 milhões de euros, o que ditou uma queda de 16,6% no EBITDA para 16,5 milhões de euros. Os resultados operacionais baixaram 40,1% para 8,5 milhões de euros.

 

A Sonaecom, liderada por Angelo Paupério (na foto), está presente nas telecomunicações através da posição na Nos e nas tecnologias através de diversas companhias, como a WeDo. Nesta última área de negócio o EBITDA caiu para metade (3,1 milhões de euros) e o volume de negócios baixou 0,8% para 87,9 milhões de euros.

 

Nos media, onde controla o jornal Público, o EBITDA gerado continua a ser negativo, embora a Sonaecom assinale que melhorou 1,3% para 1,9 milhões de euros.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub