Banca & Finanças Lucros do Barclays crescem 35% e superam estimativas

Lucros do Barclays crescem 35% e superam estimativas

Os lucros do Barclays aumentaram 35% no terceiro trimestre deste ano, impulsionados pelas receitas de negociação de activos de renda fixa, que cresceram para o nível mais alto em dois anos.
Lucros do Barclays crescem 35% e superam estimativas
Bloomberg
Rita Faria 27 de Outubro de 2016 às 09:01
Os lucros antes de impostos subiram para 837 milhões de libras (cerca de 936 milhões de euros), um valor que compara com os 619 milhões registados no mesmo período do ano passado.

Segundo os dados revelados pelo banco britânico esta quinta-feira, 27 de Outubro, excluindo itens extraordinários, o resultado líquido foi de 1,7 mil milhões de libras, acima dos 1,53 mil milhões esperados pelos analistas ouvidos pelo Bloomberg.

No período entre Julho e Setembro, as receitas de negociação de activos de renda fixa escalaram 40% em relação aos mesmos três meses de 2015, para um total de 947 milhões de libras. Também este valor superou as previsões dos analistas que antecipavam receitas de 876 milhões de libras.

A unidade internacional do Barclays, que inclui o banco de investimento e outras operações fora do Reino Unido, registou lucros de 1,09 mil milhões de libras, enquanto a unidade de retalho fechou o trimestre com um resultado líquido de 675 milhões de libras.


Após o referendo sobre o Brexit, as acções do Barclays atingiram mínimos de 2009, e obrigaram a gestão da instituição, comandada por Jes Staley a reduzir custos e a focar o negócio no Reino Unido e nos Estados Unidos.


O CEO retirou o banco de investimento de sete países da Ásia, está a vender a unidade africana e activos não estratégicos, e já eliminou cerca de 14.500 postos de trabalho. O próximo passo será adaptar o seu negócio à nova realidade do país fora da União Europeia, que poderá deixar os banqueiros de Londres afastados do mercado único do bloco. 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub