Banca & Finanças Lucros do Citigroup crescem 17% no primeiro trimestre

Lucros do Citigroup crescem 17% no primeiro trimestre

A instituição financeira norte-americana justifica o crescimento dos lucros com o aumento das receitas e a redução do custo do crédito.
Lucros do Citigroup crescem 17% no primeiro trimestre
Bloomberg
Rita Faria 13 de abril de 2017 às 13:39

O Citigroup fechou o primeiro trimestre deste ano com lucros de 4,1 mil milhões de dólares, ou 1,35 dólares por acção, o que compara com o resultado líquido de 3,5 mil milhões de dólares, ou 1,10 dólares por acção, no mesmo período do ano passado.

De acordo com o comunicado divulgado esta quinta-feira, 13 de Abril, pela instituição norte-americana, a subida de 17% dos lucros justifica-se com o aumento das receitas e a redução do custo do crédito.

No período entre Janeiro e Março deste ano, as receitas do banco liderado por Michael Corbat cresceram 3% para 17,6 mil milhões de dólares, impulsionadas pelas divisões Institutional Clients Group (ICG) e Global Consumer Banking (GCB).

A Bloomberg sublinha que, excluindo os ganhos decorrentes da alienação de uma série de activos, os lucros fixaram-se em 1,27 dólares por acção. Este valor supera as estimativas dos analistas consultados pela agência noticiosa que antecipavam um resultado de 1,24 dólares por acção.

O resultado da negociação de títulos, que superou as estimativas em 100 milhões de dólares, foi uma das surpresas do relatório hoje conhecido, tal como as provisões para o crédito malparado que, em 1,66 mil milhões de dólares, ficaram abaixo do esperado. 

Na pré-negociação, as acções do banco recuam 0,29% para 58,34 dólares, antecipando uma abertura em queda na sessão desta quinta-feira em Wall Street. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.04.2017

É pá, por cá, nunca vi disto: canhotos e maçaricos deram mesmo cabo disto...