Banca & Finanças Lucros do Morgan Stanley duplicam à boleia do mercado de dívida

Lucros do Morgan Stanley duplicam à boleia do mercado de dívida

O aumento de receitas oriundas da actividade de "trading", da área das acções e das obrigações, depois da vitória de Donald Trump, contribuiu para o crescimento de 100% nos resultados líquidos da instituição.
Lucros do Morgan Stanley duplicam à boleia do mercado de dívida
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 17 de janeiro de 2017 às 12:38
O banco norte-americano Morgan Stanley duplicou os lucros no último trimestre do ano, a beneficiar das receitas com a actividade de negociação de obrigações depois da vitória de Donald Trump nas eleições nos EUA.

Nos três meses que terminaram em Dezembro, o resultado líquido da instituição passou de 753 milhões de dólares (703 milhões de euros à cotação actual) verificados em igual período de 2015 para 1.510 milhões de dólares (1.410 milhões de euros), avançou a empresa esta terça-feira, 17 de Janeiro.

Por acção, o resultado líquido ficou acima do esperado pelos analistas compilados pela Reuters - nos 81 cêntimos de dólar/acção contra os 65 cêntimos aguardados e que comparam com 39 cêntimos um ano antes.

A aposta dos investidores em produtos de renda fixa - como obrigações - levou o banco a facturar 1.500 milhões de dólares, quase triplicando os 550 milhões registados no trimestre homólogo.

A actividade de "trading" no geral também registou subidas, a beneficiar do maior apetite dos investidores no mercado accionista e de dívida depois da vitória de Donald Trump nas eleições de 8 de Novembro, pela expectativa de que as suas políticas estimulem a economia norte-americana e a subida da inflação.

Os futuros das acções do banco negoceiam, no período antes da abertura dos mercados, a valorizar 1,8% para 44,6 dólares.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub