Desporto Lucros do Sporting recuam 60% para 24,7 milhões

Lucros do Sporting recuam 60% para 24,7 milhões

Os lucros recuaram 60% em comparação com o melhor trimestre de sempre, registado em 2016, com as vendas de João Mário e de Islam Slimani.
Lucros do Sporting recuam 60% para 24,7 milhões
André Cabrita-Mendes 11 de dezembro de 2017 às 12:48
O Sporting obteve lucros de 24,7 milhões de euros entre Julho e Setembro. Este resultado líquido recuou 60,7% a partir de 62,9 milhões de euros registados em período homólogo, quando o Sporting registou o seu melhor trimestre de sempre, devido às vendas de João Mário e de Islam Slimani.

Já o volume de negócio do primeiro trimestre da época de 2017/2018 atingiu os 61,8 milhões de euros, uma queda face aos 105 milhões registados em 2016, devido à "participação na fase de grupos da Liga dos Campeões, após passagem pela eliminatório de play-off e pela venda de direitos desportivos nomeadamente do capitão Adrien Silva", segundo o comunicado divulgado pelo clube esta segunda-feira, 11 de Dezembro.

A venda de Adrien Silva ao clube inglês Leicester City rendeu um total de 20 milhões de euros aos cofres do clube de Alvalade.

Em termos de receitas, as vendas de bilhetes cresceram 765 mil euros para 4,9 milhões de euros. O clube explica que "esta é a segunda presença consecutiva na fase de Grupos da UEFA Champions League, o que permitiu crescer ao nível da bilheteira, seja em jogo a jogo, seja no sucesso que foi a renovação das gamebox anuais".

Os bilhetes para camarotes e "business seats" renderam um total de 1,7 milhões de euros, enquanto os bilhetes de época renderam 1,5 milhões. Já os bilhetes para a liga dos campões geraram uma receita de 880 mil euros, enquanto os para a liga nacional geraram 486 mil euros.

Já os proveitos operacionais aumentaram 2,5 milhões devido à participação no playoff da liga dos campeões (2 milhões de euros), e ao prémio pela participação na fase de grupos desta competição (12,7 milhões).

No reforço do plantel, o Sporting gastou 17 milhões de euros em contratações esta época. O jogador argentino Marcos Acuña foi o mais caro, tendo custado 10,5 milhões de euros. Segue-se o francês Jeremy Mathieu vindo do Barcelona. Apesar de ter vindo como jogador livre, o clube gastou três milhões em prémio de assinatura e um milhão de comissão. Por Stefan Ristovski, o clube pagou um total de 2,5 milhões.

Os gastos operacionais sem transacções de jogadores registaram um aumento de 2,3 milhões de euros, mais 10%, que foi "compensado pelo aumento da receita operacional sem transacções de jogadores". Destaque assim para o aumento registado nos salários para 19,1 milhões de euros.

(Notícia actualizada às 13:15)



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
saraiva14 11.12.2017

Dois anos seguidos com lucros deve ser um record na História do Sporting!

Anónimo 11.12.2017

Só contas marteladas, Este bruno é um vale e azevedo 2,

Anónimo 11.12.2017

E se tivesse uma porta 18 e diversificasse as fontes de receita ainda podia aumentar os resultados. Mesmo que não contabilizasse esses produtos vendias uns pernetas e dizia que recebia 15M€ por cada, vendia camarotes a inflacionados e podia pagar para arranjar uns empregos para pagar favores.

Saber mais e Alertas
pub