Lucros da Jerónimo Martins aumentam 5,6% no semestre (act)
25 Julho 2012, 07:51 por Nuno Carregueiro | nc@negocios.pt
3
Enviar por email
Reportar erro
0
O crescimento na Polónia está a abrandar, enquanto a campanha de descontos no Pingo Doce penalizou a margem EBITDA.
A Jerónimo Martins anunciou hoje que os resultados líquidos do primeiro semestre aumentaram em 5,6% para 151,9 milhões de euros, com a empresa a beneficiar com o crescimento verificado na Polónia, onde as vendas e o EBITDA continuam a crescer a dois dígitos.

As vendas totais subiram 7,5% para 5,108 mil milhões de euros, um valor que representa um aumento de 12,3% excluindo as flutuações cambiais. O EBITDA aumentou de forma menos forte, subindo em 5% para 326,5 milhões de euros.

A margem EBITDA desceu 0,1 pontos percentuais, para 6,4%, uma queda que a empresa atribui ao “forte investimento em campanhas promocionais” no Pingo Doce. A cadeia de supermercados portuguesa, que pesa menos de 30% vendas da Jerónimo Martins, efectuou uma desconto de 50% em todos os produtos no dia 1 de Maio, repetindo depois campanhas menos agressivas, o que penalizou as margens da empresa.

Polónia abranda

Tal como nos anos anterior, a Biedronka continua a ser o principal motor de crescimento da Jerónimo Martins. As vendas da Jerónimo Martins em território polaco aumentaram 18% e o EBITDA subiu 25%.

Apesar de a Polónia continuar a crescer a dois dígitos nas vendas e EBITDA, os números da Biedronka mostra um abrandamento.

Olhando apenas para o segundo trimestre, o crescimento comparável das vendas da Biedronka foi de 4,7%, o que compara com um aumento de 20% no período homólogo

“O recente abrandamento do crescimento da economia polaca levou também a um desacelerar das vendas de retalho alimentar no mercado polaco cujo crescimento passou de 9.5%, acumulado a Março, para 6.5% no fim de Maio, também com impacto no desempenho da Biedronka no trimestre”, admite a empresa no comunicado.

“Mesmo num contexto de desaceleração do crescimento económico, a força do modelo de negócio da Biedronka, na Polónia, e a sua clara posição de liderança no mercado justificam a minha confiança na capacidade da companhia para continuar a entregar uma sólida evolução de vendas e resultados”, diz o CEO da Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos, acrescentando que o “forte desempenho” da empresa na Polónia, “permite-nos confirmar a perspectiva positiva para o ano de 2012, em termos de crescimento de vendas e de resultados”.

Pingo Doce penaliza margens

Quanto à actividade em Portugal, Pedro Soares dos Santos diz em comunicado que “fizemos, no segundo trimestre, um importante investimento com o objectivo de reforçar a nossa competitividade de longo prazo”, sendo que “o crescimento de vendas e de quota de mercado, que já se está a verificar, mantem-se como importante prioridade estratégica”.

Nas lojas Pingo Doce as vendas aumentaram 4,2% no semestre, para 1,46 mil milhões de euros, sendo que em termos comparáveis (o mesmo número de lojas do ano passado e sem combustíveis) as vendas subiram 0,5%.

O crescimento das vendas do Pingo Doce é mais visível no segundo trimestre, período em que iniciou a campanha de descontos. De Abril a Junho as receitas subiram 6,1% no total e 2,4% em termos comparáveis, o que leva a empresa a afirmar que a sua quota de mercado aumentou.

Contudo esta campanha teve um impacto negativo no EBITDA gerado pelo Pingo Doce, que desceu 14,2% no semestre, atingindo 64 milhões de euros.

No primeiro semestre a Jerónimo Martins investiu 197 milhões de euros, tendo alocado 87% deste total à Polónia.

A dívida líquida consolidada reduziu-se em 152 milhões de euros para 352 milhões de euros.

3
Enviar por email
Reportar erro
0
pesquisaPor tags:
alertasPor palavra-chave: