Telecomunicações Lucros da Samsung crescem apesar dos problemas com o Galaxy Note 7

Lucros da Samsung crescem apesar dos problemas com o Galaxy Note 7

A tecnológica sul-coreana encerrou o terceiro trimestre do ano com um aumento dos lucros operacionais, apesar da queda nas receitas. O negócio de semicondutores e ecrãs ajudou a contrariar as perdas com a recolha de 2,5 milhões de Galaxy Note 7.
Lucros da Samsung crescem apesar dos problemas com o Galaxy Note 7
DR Samsung
João Patrício 07 de Outubro de 2016 às 14:10
Apesar da recolha em grande escala dos aparelhos do modelo Galaxy Note 7, depois de casos relacionados com a explosão de baterias, a Samsung fechou o terceiro trimestre do ano com crescimento dos lucros operacionais, apesar de um recuo nas vendas.

De acordo com o Financial Times, a gigante sul-coreana revela que os dados preliminares apontam para um aumento de 5,6% dos lucros operacionais no terceiro trimestre para 7,8 biliões de won coreanos (6,31 mil milhões de euros) relativamente ao período homólogo, apesar de estimarem uma queda de 5,2% nas receitas. 

Kim Young-soo, analista da SK Securities, avança àquela publicação que a Samsung encontra-se numa fase de crescimento "intacto". As vendas de ecrãs e semicondutores foram apontados como tendo compensado o impacto dos problemas trazidos pelo Galaxy Note 7.

Os custos da devolução em massa deste equipamento ainda não são conhecidos, no entanto, analistas citados pelo Financial Times garantem que a empresa terá sofrido um custo a rondar mil milhões de dólares (897,3 milhões de euros). A publicação prevê ainda que a Samsung divulgue os dados definitivos do trimestre no final deste mês.

O lucro operacional trimestral da divisão de equipamentos móveis terá ascendido a 2,8 mil milhões de euros, perante a forte procura de chips de memória de nova geração e painéis OLED por parte de empresas como a concorrente Apple.

Nas últimas semanas a Samsung deparou-se com uma das suas maiores campanhas de devolução de equipamentos. A empresa foi forçada a repôr cerca de 2,5 milhões de unidades, na sequência de várias situações em que as baterias se incendiaram ou apresentavam tendência para explodir.

A situação mais recente deu-se a bordo de um avião da Southwest, que se preparava para efectuar um voo a partir de Louisville com destino a Baltimore, na passada quinta-feira. O equipamento, alegadamente "de substituição", pegou fogo e impediu assim a realização do voo doméstico.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP…

e corta em tudo o resto!

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


A MALTA DA FP E CGA QUER PÔR O PAÍS NA BANCARROTA... OUTRA VEZ.

Podem cortar no orçamento da FP e CGA... Já chularam até demais.

Anónimo Há 3 semanas


PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP…

e corta em tudo o resto!

pub
pub
pub
pub