Aviação Lufthansa e EasyJet na corrida pela compra de activos da Air Berlin

Lufthansa e EasyJet na corrida pela compra de activos da Air Berlin

A companhia de bandeira germânica e a transportadora “low cost” foram escolhidas como proponentes preferidas para a aquisição dos activos da Air Berlin, que está em situação de insolvência desde meados de Agosto.
Lufthansa e EasyJet na corrida pela compra de activos da Air Berlin
Ana Laranjeiro 22 de setembro de 2017 às 10:26

Depois de em meados de Agosto, a Air Berlin ter apresentado um pedido de insolvência, o comité de credores já elegeu quem são os proponentes preferidos para a aquisição de activos da Air Berlin. A também germânica Lufthansa e a companhia de baixo custo EasyJet são as duas transportadoras aéreas escolhidas para comprarem os activos da insolvente Air Berlin.

O interesse da Lufthansa não é novo. A Air Berlin apresentou o seu pedido de insolvência, a 15 de Agosto, depois de o seu principal accionista, a Etihad Airways, ter deixado de fornecer apoio financeiro. E nesse mesmo dia, a companhia germânica de bandeira revelou que estava "a apoiar os esforços de reestruturação da companhia aérea em conjunto com o governo alemão". "A Lufthansa está já em negociações com a Air Berlin para comprar partes do grupo e está a explorar a possibilidade de adquirir mais funcionários", acrescentava a companhia em comunicado, emitido na altura.

O comité de credores da empresa vai continuar a negociar que estas duas transportadoras até ao dia 12 de Outubro, com vista à venda dos activos de transporte da Air Berlin, de acordo com o comunicado da transportadora, citado pela Bloomberg. As negociações com outros interessados em outros activos vão decorrer em paralelo. Ao que avança a agência de informação, nem a Lufthansa, nem a britânica EasyJet fizeram uma proposta para aquisição total da Air Berlin. Por conseguinte, dividir os activos da companhia tornou-se a opção possível.

Na última quarta-feira, o CEO da Lufthansa, Carsten Spohr, revelou que a empresa tinha apresentado uma oferta pela Niki, uma subsidiária da Air Berlin, e pelos 38 jactos que já foram fretados à transportadora aérea. Quanto à EasyJet não é para já conhecido em que activos está concretamente interessada.


Contudo, há ainda algumas incertezas que rodeiam o futuro dos activos da Air Berlin. É que a companhia tem 17 Airbus SE A330 e a EasyJet não tem esta família de aparelhos na sua frota e também a Lufthansa já mostrou que não está interessada nestes aviões.

No que diz respeito à força de trabalho da empresa insolvente, a Lufthansa pretende absorver cerca de três mil funcionários, dos cerca de oito mil que a Air Berlin tem. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
PHAROL sobe por efeito OI ...só em Portugal Há 20 horas

Dizem que podem vir os chineses, com atitude abutre, de só quererem o melhor da Oi (o móvel), e no Brasil a OI baixou ontem na OIBR3, e estagnou na OIBR4. Ou seja, no Brasil não ligaram, mas em Portugal a Pharol já subiu cerca de 10% em 2 dias. Assim, está a PHAROL sozinha, pronta para ...descer.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub