Aviação Lufthansa e pilotos chegam a acordo geral até 2022

Lufthansa e pilotos chegam a acordo geral até 2022

O grupo aéreo alemão Lufthansa e o sindicato dos pilotos Cockpit anunciaram hoje ter chegado a um acordo geral até 2022, pondo fim a um conflito laboral que dura há vários anos.
Lufthansa e pilotos chegam a acordo geral até 2022
Bloomberg
Lusa 15 de março de 2017 às 13:12

Segundo o acordo de princípio, os cerca de 5.400 pilotos das companhias Lufthansa Airlines, Lufthansa Cargo e Germanwings vão beneficiar de um aumento salarial de 11,4% ao longo de um período que decorrerá até Junho de 2022.

 

A este aumento junta-se um bónus de 1,8 meses de salário, mas, em contrapartida, os pilotos aceitam um aumento gradual da idade de pré-reforma e uma outra forma de contribuição para o plano de reforma.

 

Em Fevereiro, a administração da companhia e o sindicato Cockpit aceitaram a proposta de um mediador, que inclui um aumento salarial de 8,7% por etapas até 2019 e cerca de 5.000 a 6.000 euros de bónus por piloto, mas deverão ainda continuar a negociar sobre outras matérias.

 

O impasse entre o sindicato e a administração da empresa dura desde 2014 e, segundo a Lufthansa, os diferentes episódios de greve dos pilotos já custaram à companhia 351 milhões de euros em 2014 e 2015.

 

Uma nova onda de greves em Novembro causou fortes perturbações no tráfego, com custos na ordem dos 100 milhões de euros.

 

O sindicato Cockpit alega que o acordo de princípio permite à Lufthansa alcançar no final "uma melhoria sustentável e estrutural dos seus custos com pessoal".

 

Em troca, o grupo aéreo garantiu que até meados de 2022 vão voar pelo menos 325 aeronaves com pilotos ligados a este acordo alcançado com o Cockpit.

 

O membro da direcção do Cockpit Jörg Handwerg considerou que este acordo global representa "uma grande possibilidade de paz num conflito que dura há anos".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub